Coimbra  24 de Fevereiro de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Projecto da UC monitoriza ave para estudar espécies em praias e zonas húmidas

29 de Janeiro 2024 Jornal Campeão: Projecto da UC monitoriza ave para estudar espécies em praias e zonas húmidas

A Universidade de Coimbra (UC) vai apresentar um projecto europeu que aposta na monitorização da ave Borrelho-de-coleira-interrompida, para conservação de habitats e outras espécies selvagens que dependem das praias e zonas húmidas.

Intitulado “Iberalex – Gestão sustentável de praias e zonas húmidas ibéricas: conservação do Borrelho-de-coleira-interrompida (Charadrius alexandrinus) como ferramenta para compatibilizar os usos humanos e a biodiversidade”, o trabalho vai ser apresentado na quinta-feira, às 9h30, na UC, no auditório do Departamento de Ciências da Vida (DCV), no Colégio de São Bento, pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

“Este projecto pretende utilizar o Borrelho-de-coleira-interrompida como uma espécie guarda-chuva e propõe um conjunto de acções que servirão para melhorar o seu estado de conservação no espaço transfronteiriço Espanha-Portugal”, refere o professor e investigador no DCV, Jaime Ramos.

A ideia visa também “compatibilizar acções de conservação com actividades recreativas e extractivas humanas num cenário de alterações climáticas, evidenciado pelo aumento contínuo do nível do mar e pela erosão costeira”, acrescenta.

Um espécie guarda-chuva é uma espécie cuja conservação implica necessariamente a preservação de outras espécies.

Por norma, trata-se de espécies como predadores de topo que necessitam de grandes áreas de habitat ou de condições ecológicas particulares, pelo que a sua conservação implica que essas condições sejam salvaguardadas.

De acordo com o investigador do DCV, esta ave necessita de praias arenosas e de zonas húmidas em boas condições ecológicas para se reproduzir, dado ser muito sensível a perturbação humana e a predadores. Por isso, a perturbação humana excessiva nas praias, por exemplo na época balnear, implica que esta espécie deixe de se reproduzir nessas áreas.

Também as mudanças de habitat, devido às alterações climáticas, implicam que a mesma fique com menos área disponível de praia para nidificar.

“A conservação desta espécie implica que outras espécies no mesmo habitat tenham também condições adequadas para a sua sobrevivência. De igual forma, o aumento da predação muitas vezes está associado a actividades antropogénicas que provocaram alteração dos habitats e que devem ser controladas”, concluiu.

O Iberalex é um projecto financiado pelo Programa Interreg V Espanha-Portugal (POCTEP) 2023-2027 e tem a participação, além da Universidade de Coimbra, da Direcção-Geral do Património Natural (Xunta de Galicia, Espanha), das universidades de Aveiro e das espanholas de Santiago de Compostela, da Extremadura e de Cádis e da associação portuguesa para a conservação da natureza Vita Nativa.

Foto: Ana Claudia Norte