Coimbra  25 de Novembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Presidente da CMC satisfeito com comportamento dos conimbricenses

19 de Novembro 2020 Jornal Campeão: Presidente da CMC satisfeito com comportamento dos conimbricenses

Manuel Machado, presidente da Câmara Municipal de Coimbra, afirmou, hoje, que os conimbricenses têm sido compreensivos em relação às restrições mais apertadas decretadas pelo Governo, admitindo que tem esperança “de que as pessoas vão cumprir as medidas do próximo fim-de-semana”.

Coimbra está na lista dos 191 concelhos com elevado risco de transmissão de covid-19, sujeitos a medidas mais restritivas como a proibição de circulação na via pública entre as 23h00 e as 05h00 nos dias de semana e a partir das 13h00 aos sábados e domingos.

“A minha avaliação em Coimbra daquilo que conheço dos relatórios das forças policiais e de segurança é que as coisas têm corrido bem, no sentido de haver compreensão. Não houve incidentes relevantes (…) as pessoas sentem necessidade de se protegerem e de protegerem os outros”, admitiu o edil.

“A nossa convicção profunda é de que conseguimos resolver isto pela persuasão, apelo e estímulo para as pessoas voluntariamente aderirem [às regras]. A questão é realmente muito séria e as autoridades em geral estão a cumprir o seu papel e a sua responsabilidade”, acrescentou.

Relativamente à criação de três níveis para os concelhos actualmente mais atingidos pela pandemia, Manuel Machado defendeu que “é necessário dosear as determinações, os tratamentos e as imposições positivas de comportamentos de modo a que não haja um excesso de imposições que se o houver tende naturalmente para um incumprimento. Daí a aposta ser permanente na persuasão e no apelo à colaboração activa”.

“Não tenho falado dos números de Coimbra porque eles são conhecidos”, declarou Manuel Machado, frisando que a Direcção-Geral da Saúde é a “entidade que está creditada para esse efeito” e à qual as pessoas devem recorrer para não haver uma “dislexia de números que depois baralham e induzem em erro”.