Coimbra  16 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Presidente da Câmara de Coimbra rejeita acusações nas adjudicações de ex-vereador

5 de Março 2021 Jornal Campeão: Presidente da Câmara de Coimbra rejeita acusações nas adjudicações de ex-vereador

O presidente da Câmara de Coimbra rejeitou as acusações de que tinha conhecimento das alegadas adjudicações feitas pelo vereador Jorge Alves, que renunciou ao cargo, nos Transportes Urbanos de Coimbra a uma empresa detida pelo seu filho.

Manuel Machado repudiou, em comunicado enviado ontem à noite, “as calúnias difamatórias e torpes que determinados atores políticos têm propalado”.

“Atacando-me de forma injusta e infundadamente, a mim e aos vereadores com competências delegadas, que, reitero, têm desempenhado as suas funções com competência, honestidade e idoneidade”, lê-se na mesma nota.

O movimento ‘Somos Coimbra’ considerou que o presidente e vice-presidente da Câmara sabiam das alegadas adjudicações feitas e que “a STRA SA estava a trabalhar para os Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) e que era liderada pelo filho e pelo sobrinho do ex-vereador Jorge Alves”.

Face as estas afirmações, o autarca socialista disse que se “reserva, desde já, no direito de demandar os respectivos autores, no foro próprio, e em tempo útil”.

Manuel Machado salienta que, “tendo em vista o apuramento da verdade e na sequência de um processo interno de averiguações com o objectivo de identificar eventuais irregularidades imputadas ao ex-vereador Jorge Alves, enquanto presidente do Conselho de Administração dos SMTUC”, o Município comunicou, “oportuna e documentadamente”, os factos ao Ministério Público na segunda-feira.

O presidente da autarquia acrescenta, ainda, que “manifestou a total disponibilidade para prestar todos os esclarecimentos”.

“A respeito de tal factualidade e dos seus intervenientes, as declarações e esclarecimentos serão dados, única e exclusivamente, para todos os devidos e legais efeitos, perante o Ministério Público, como é habitual e saudável no Estado de Direito democrático”, sublinha.

Para o ‘Somos Coimbra’, que detém dois vereadores no Executivo municipal, os mais altos responsáveis pelo Município (presidente e vice-presidente) “não podem invocar ignorância do conflito de interesses no valor de mais de 200 mil euros que levou à demissão de Jorge Alves” no sábado, invocando razões pessoais e de saúde.

“O presidente e o vice-presidente da autarquia devem aos conimbricenses rápidas e claras explicações sobre a sua participação nestas matérias”, sublinha a nota do movimento liderado pelo ex-bastonário da Ordem dos Médicos José Manuel Silva, que acusa os vereadores Regina Bento (PS) e Francisco Queirós (PCP) de aprovarem os contratos em causa, “sendo directamente corresponsáveis”.

Na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República disse à agência Lusa que foi aberto um inquérito para averiguar as alegadas adjudicações feitas pelo então vereador Jorge Alves, que “corre termos no DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] Regional de Coimbra”.

A oposição exigiu esclarecimentos relativamente à demissão do vereador, apontando para alegadas adjudicações nos SMTUC, por ajuste directo, a uma empresa do filho e sobrinho, superiores a 200 mil euros, quando Jorge Alves era membro do Conselho de Administração, que integrou como vogal desde 2013 e que presidiu desde o final de 2017.

O Executivo da Câmara Municipal de Coimbra, liderado pelo socialista Manuel Machado, é constituído por 11 eleitos.

Cinco elementos são do PS, três foram eleitos no âmbito da coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT (sendo que um passou a independente), dois pelo Movimento Somos Coimbra e um pela CDU (Francisco Queirós, membro da administração dos Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra e único vereador não PS com pelouros atribuídos).