Coimbra  17 de Maio de 2022 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Presidente da AG da Académica sem explicações para a atual situação desportiva

9 de Abril 2022 Jornal Campeão: Presidente da AG da Académica sem explicações para a atual situação desportiva

O presidente da mesa da Assembleia Geral (AG) da Académica afirmou que não encontra uma explicação “única e lógica” para a actual situação desportiva, com o clube na iminência de descer à Liga 3 de futebol.

“Com toda a franqueza, pessoalmente não encontro explicação. Pensava que esta época, depois da última em que estivemos a lutar até ao fim [pela subida à I Liga], seria possível, exatamente ao contrário do que aconteceu, a Académica estar a disputar eventualmente a subida”, referiu Maló de Abreu.

Falando numa conferência de imprensa, marcada para anunciar publicamente as eleições dos corpos sociais para 15 de Maio, o dirigente disse que “não há uma explicação única” e que será “um conjunto de factores” responsável pela actual situação da ‘briosa’, que ocupa a última posição da II Liga, a seis jornadas do final do campeonato.

O presidente da mesa da AG da Académica salientou que é preciso “reerguer o clube e que só é derrotado quem não se levanta” e disse esperar um sobressalto cívico no próximo ato eleitoral.

Reconhecendo que a situação económica e financeira é “uma questão muito importante, que se arrasta há muito tempo”, Maló de Abreu frisou que a Académica precisa de meios e que “vai encontrar forças e apoios, [necessários] agora mais do que nunca”.

“Para trabalhar no futuro são preciso meios e a dívida é sempre confrangedora e dificulta o trabalho, mas tem de se encontrar outros meios”, reiterou o dirigente, salientando que mesmo que o clube não desça de divisão a situação “é difícil”.

A Académica “não se reergue sozinha e precisa que os sócios todos se mobilizem”, acrescentou.

“Ou os sócios todos se mobilizam e querem que a Académica se reerga e vamos trabalhar a sério para reerguê-la e há uma grande disponibilidade da nossa parte para ajudar a levantar o clube do chão ou então não é possível”, sublinhou Maló de Abreu.

Para o dirigente, que anunciou não se recandidatar a nenhum cargo, “haverá gente na Académica que não deixará que isso aconteça”, dizendo ainda que espera “que haja o tal sobressalto cívico e sejam os sócios todos a ajudar”.

“A Académica precisa de estar unida o mais possível, pois só assim teremos a força necessária para a reerguer”, disse o dirigente, que ainda acredita na possibilidade de o clube se manter na II Liga, apesar da delicada situação.

Considerando que as próximas eleições são o “grande momento” para definir o futuro da ‘briosa’, Maló de Abreu manifestou o desejo de que haja a maior participação possível dos sócios e que haja uma Direcção “com ambição e que possa recolocar a Académica no sítio que merece”.

“Desejamos uma Académica de primeira, com ambição, que seja uma bandeira da cidade, da região e dos antigos estudantes, pelo que esperamos que estas eleições possam ser o ‘golpe de asa’ necessário para que se possa reerguer”, enfatizou.

As eleições para a Associação Académica de Coimbra-Organismo Autónomo de Futebol realizam-se no dia 15 de Maio, de acordo com a decisão da mesa da Assembleia Geral, que escolheu o primeiro dia previsto nos estatutos.

As candidaturas devem dar entrada na secretaria do clube até às 20h00 do dia 30 de Abril.

A votação decorre num domingo, no mesmo dia em que a Académica recebe o Farense, na última jornada da II Liga de futebol, quando a descida de divisão é praticamente certa.

Os ‘estudantes’ ocupam a última posição da tabela classificativa, com 15 pontos em 28 jogos, a 11 do antepenúltimo posto, que dá acesso ao ‘play-off’ de luta pela manutenção, quando faltam seis jornadas para o final.

A Académica é liderada há cinco anos por Pedro Roxo, que assumiu a presidência depois da saída de Paulo Almeida e venceu as últimas eleições, realizadas há três anos, contra o médico Joaquim Reis.