Coimbra  18 de Junho de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ponte do Paço a dar passos: Câmara aprova projecto de execução

15 de Janeiro 2018

O projecto de execução da nova ponte do Paço, entre Arzila e Pereira do Campo, foi aprovado, hoje, por unanimidade, pela Câmara Municipal de Montemor-o-Velho.

A actual ponte é um factor de estrangulamento para quem viaja de um concelho para o outro e as duas autarquias vão substituir-se à empresa Infra-estruturas de Portugal (IP), revelara, há 10 meses, o presidente da Câmara de Coimbra.

Segundo a principal autarquia de Montemor, a futura ponte vai ter “14 metros de vão, entre eixos”, cabendo à actual ser destinada a peões e a ciclistas.

Projecto assumido pelas câmaras municipais de Montemor-o-Velho e de Coimbra, a nova infra-estrutura tem custo estimado em cerca de 273 000 euros (163 000 para a construção e 110 000 para os acessos).

“Estamos a trabalhar com seriedade; a fazer o que já deveria ter sido feito, há muitos anos”, declarou o líder do Município de Montemor, Emílio Torrão, acrescentando que ele e Manuel Machado estão “a cumprir a palavra dada”.

A 04 de Julho [de 2017], os municípios de Coimbra e de Montemor-o-Velho assinaram um acordo de parceria para a construção da nova ponte do Paço e dos respetivos acessos.

O projeto acabado de aprovar está condicionado, ainda, a emissão de parecer por parte da APA – Agência Portuguesa do Ambiente. Depois, será remetido à Câmara Municipal de Coimbra, que irá recolher pareceres do ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e Florestas e da CCDRC – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

Em declarações prestadas ao “Campeão”, em 2015, Emílio Torrão considerou inadmissível que a necessidade de construção de uma variante entre Taveiro e Montemor-o-Velho tenha sido “ignorada, deliberadamente”, pelo Governo de Pedro Passos Coelho.

De acordo com o presidente da Câmara de Montemor-o-Velho, há milhares pessoas a passar, diariamente, nos caminhos agrícolas da chamada Obra do Mondego, cujos interesses justificavam ser respeitados pelo XIX Governo.

Uma variante com início em Bencanta está confinada, há dezenas de anos, a um troço com duas faixas entre Coimbra e Taveiro, apesar do crescimento populacional de Pereira do Campo (Montemor-o-Velho) e de Granja do Ulmeiro (Soure).

Em Dezembro de 2003, o então titular da Direcção de Estradas de Coimbra, José Gomes, declarou ao “Campeão” que estava a ser encarado o prolongamento do arranjo da Estrada Nacional nº. 341, a Poente de Arzila.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com