Coimbra  16 de Junho de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Politécnico de Coimbra reforça aposta na floresta em parceria com Florestgal

13 de Fevereiro 2021 Jornal Campeão: Politécnico de Coimbra reforça aposta na floresta em parceria com Florestgal

O Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) e a Florestgal, empresa pública de gestão e desenvolvimento florestal, assinaram, ontem (12), um protocolo de colaboração que intervém no âmbito da estratégia nacional de desenvolvimento florestal e do ordenamento do território.

O acordo visa “criar condições gerais de colaboração nas áreas de transferência de conhecimento, investigação aplicada, formação técnica e avançada, prestação de serviços e partilha de recursos”, revela o IPC.

Jorge Conde, presidente do IPC, assumiu a floresta como “uma área importante de desenvolvimento na investigação e no ensino a que a instituição dá destaque, através da sua Escola Superior Agrária, que pelo histórico e pelo que tem feito para o desenvolvimento deste sector, é uma entidade que o país deve ter em conta”.

O responsável enumerou as várias áreas de investigação e ensino ligadas à Floresta em que o Politécnico de Coimbra está envolvido, como por exemplo, a formação de profissionais no trabalho de combate ao fogo e a criação de modelos e métodos de combate e a participação num projecto pioneiro em 2017 na área do sequestro de carbono.

“Também em áreas ligadas à Floresta, como o Desporto Aventura ou o Turismo de Natureza, o IPC ministra formação, estando atento à emergência de fenómenos que a pandemia acelerou, como a deslocação de famílias das cidades para o interior, procurando áreas menos populosas. A cada vez maior robotização das indústrias agrícolas e as oportunidades que esta realidade oferece aos jovens engenheiros também é uma das tendências a ter em conta”, sublinha o Politécnico de Coimbra.

Jorge Conde considerou que este acordo deverá estender-se a médio prazo, com “muito trabalho a fazer e inovação a criar” para “desenvolver o território e o país e a acção do IPC”.

José Miguel Medeiros, presidente da Florestgal, referiu que as duas entidades iniciam um caminho que vai ser “um exemplo de cooperação e colaboração institucional e operacional, com inequívocas vantagens mútuas, mas sobretudo com ganhos para as diferentes regiões onde as duas operam e para o país para o qual trabalham”.

O responsável defendeu que a criação da Florestgal em 2019 permitiu criar uma “ferramenta ágil e flexível” que visa responder a um dos maiores desafios que o país enfrenta: “a reconstrução de uma economia sustentável em torno da fileira florestal”.

A Florestgal tem como missão fomentar a agregação de parcelas com vista a aumentar a dimensão média das explorações florestais para patamares que as tornem viáveis de forma sustentável, bem como a modernização da sua gestão e a promoção da diversificação da produção, com recurso a espécies autóctones.

José Miguel Medeiros realçou, ainda, algumas das operações em curso que permitem a concretização do protocolo, através de acompanhamento técnico e ensaios, nomeadamente no âmbito de actividades de ‘Forest Sponsoring’, onde a Florestgal procura angariar sponsors domésticos e internacionais para a instalação e manutenção de Florestas de Conservação e Legado, um projecto-piloto para povoamento florestal de conservação a desenvolver por uma entidade internacional na Beira Interior e um website bilingue dedicado ao ‘Forest Sponsoring’.

No âmbito do protocolo assinado, que tem uma duração de dois anos, o presidente da Florestgal será uma das personalidades a participar no próximo seminário do ciclo Webcycles, promovido pelo Instituto de Investigação Aplicada (i2A) do IPC, a realizar no próximo mês de Março.