Coimbra  2 de Julho de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PISACC: “Saneamento da ADFP fica com quem o fez”, Jaime Ramos

21 de Janeiro 2017

O médico Jaime Ramos disse, hoje, ao “Campeão”, que ter sido enjeitada a adesão da Fundação ADFP ao Projecto de Intervenção com os Sem-abrigo do Concelho de Coimbra é um “saneamento a ficar com quem o fez”.

“As pessoas carentes de abrigo não podem é ser prejudicadas por egoísmos irracionais”, opina o presidente da instituição com sede em Miranda do Corvo, possuidora de projectos para o concelho conimbricense.

Neste contexto, o timoneiro da Fundação – Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional exige da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) uma “justificação fundamentada”.

“Há declarações do vereador da Acção Social, Jorge Alves, que são evasivas e dão ideia de estar comprometido com o saneamento da ADFP”, alega o médico e ex-governador civil de Coimbra.

Quanto ao facto de a coordenação do PISACC – Projecto de Intervenção com os Sem-abrigo do Concelho de Coimbra ser exercida, em 2017, pela Associação Integrar, liderada pela mulher de Jorge Alves, Jaime Ramos não questiona “as ligações ao autarca”.

“Em Fevereiro, vamos tentar abrir um refeitório social na Casa da Dignidade, perto do Parque Verde do Mondego, porque nos choca ver pessoas a comer na rua”, diz o médico.

Além da rejeição da Fundação – Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional, também foi «chumbada» a pretensão de adesão ao PISACC da Cruz Vermelha, cujos dirigentes da Delegação de Coimbra declinaram prestar declarações ao “Campeão”.

Do PISACC fazem parte uma dúzia de instituições, entre elas a CMC e o Centro Distrital da Segurança Social.

Para Jaime Ramos, é importante saber se o afastamento da ADFP e da Cruz Vermelha ficou a dever-se a decisão de técnicos, “interessados em manter o monopólio de actuação”, ou se corresponde à vontade das entidades que eles representam.

“Em matéria de solidariedade social, com importância do trabalho em rede, é, no mínimo, muito estranho que, sem justificação, duas entidades sejam marginalizadas”, conclui o ex-governador civil de Coimbra.