Coimbra  29 de Julho de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Penela e Filarmónica do Espinhal assinaram protocolo para recuperar Casa da Cultura

20 de Julho 2021 Jornal Campeão: Penela e Filarmónica do Espinhal assinaram protocolo para recuperar Casa da Cultura

O Município de Penela e a Sociedade Filarmónica do Espinhal assinaram o contrato-programa para a “Recuperação do Edifício da Casa da Cultura do Espinhal”.

O momento decorreu durante a cerimónia de comemoração do 115.º aniversário de elevação do Espinhal a vila, que se realizou no passado sábado, na Casa da Cultura da localidade.

O programa e estudo-prévio do projecto de “Recuperação do Edifício da Casa da Cultura e Largo da Feira” foram apresentados pelo arquitecto Florindo Marques do Gabinete de Projectos A3 Arquitectos.

O presidente da Câmara Municipal de Penela, Luís Matias, afirmou, durante a cerimónia, que o “desenvolvimento da terra se faz com várias componentes” e que este projecto tem exactamente uma componente forte de “valorização do património”.

O autarca assumiu que um dos objectivos desta obra é incluir a requalificação do antigo mercado como “Espaço Museológico” para que o “património imaterial do Espinhal possa ser visto, possa ser vivido, possa ser sentido pelas pessoas” e, sabendo da forte tradição e dinâmica que a vila tem com a cultura, este projecto irá “melhorar a atractividade do Espinhal”.

As celebrações contaram com uma tertúlia e seguiram com a intervenção da fundadora da Casa Museu Oliveira Guimarães, Paula Oliveira Guimarães, que foi convidada a falar sobre os “Desafios para o próximo Centenário”. O primeiro desafio apontado foi a “sustentabilidade ambiental e económica”, sendo fundamental “preservar toda a paisagem que faz do Espinhal um local especial” e igualmente importante “atrair jovens e fixar os que cá vivem”.

Para Paula Oliveira Guimarães, os desafios para o próximo centenário passam também pela “identidade” e o “espírito colaborativo” para que a vila do Espinhal seja, independente das diferenças ideológicas, uma “terra que trabalha em conjunto para se valorizar”.

Jorge Alarcão foi outro dos palestrantes da noite, com uma retrospectiva sobre a história que as casas espinhalenses contam e um apelo à recuperação das “casas antigas” da vila que tantas “histórias” contam e que, actualmente, constituem o “essencial do património do espinhal”.

A cerimónia contou ainda com momentos musicais que foram protagonizados pelo Quinteto da Academia de Música da Sociedade Filarmónica do Espinhal.