Coimbra  9 de Dezembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Pedro Machado faz radiografia aos cuidados de saúde primários na Figueira da Foz

21 de Julho 2021 Jornal Campeão: Pedro Machado faz radiografia aos cuidados de saúde primários na Figueira da Foz

A candidatura de Pedro Machado, pelo PSD, à presidência da Câmara Municipal da Figueira da Foz reuniu com o director do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Mondego (ACES).

Numa altura em que também na área da saúde as autarquias assistem a um processo de transferência de competências, Pedro Machado refere haver “várias matérias em que o município deve ser parceiro da saúde, nomeadamente, na boa gestão da informação para a governação em matéria de saúde no concelho.”

“Os novos desafios que se colocam hoje encontram-se ao nível do sistema local de saúde e ao nível dos cuidados paliativos”, destaca o candidato, inserindo-os na estratégia global da Qualidade de Vida, apresentada aos figueirenses em março aquando da apresentação da sua candidatura.

A escassez de recursos humanos e um sistema de informação integrado são algumas das necessidades mais urgentes do concelho da Figueira da Foz, apontadas pelo director do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Mondego (ACES), José Luís Biscaia.

“Há um número insuficiente de médicos no nosso concelho. Há agora seis vagas dirigidas a médicos que espero que sejam preenchidas” – disse o responsável. José Luís Biscaia sublinha que, actualmente, “há um potencial de reforma grande” e perante essa realidade “não existe uma estratégia de renovação de médicos”.

Ainda na área dos recursos humanos o médico figueirense lembra que “há mais de 20 anos que não se realiza um processo de recrutamento” de secretários clínicos. “Este é um problema real que afeta o funcionamento das instituições”, disse.

Responsável por um dos maiores Agrupamentos de Centros de Saúde – o ACES Baixo Mondego que engloba 10 concelhos – José Luís Biscaia defende que está na altura de “pensar sobre a saúde”, de “definir o perfil de saúde” dos cidadãos e dos territórios em que estão inseridos.

“É tempo de pensar em novas formas de prestar cuidados de saúde primários, de discutir a gestão dos percursos de saúde das pessoas”, realça o responsável, que defende que na saúde a transformação digital “não foi bem feita”.

Na reunião, realizada na Unidade de Saúde Familiar de São Julião, foi também abordada a actual situação que se vive a nível mundial, denominada de Covid-19. “O nosso trabalho assenta em duas estratégias de acção: proximidade e rapidez de atuação”, explica o delegado de saúde, José Faria.

De realçar que, até à data de hoje, mais de 60 mil vacinas foram já administradas na Figueira da Foz.