Coimbra  13 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PCP reuniu com Administração do CHUC e mantém luta pelos Covões

23 de Abril 2021 Jornal Campeão: PCP reuniu com Administração do CHUC e mantém luta pelos Covões

Uma delegação da Direcção da Organização Regional de Coimbra do PCP reuniu esta semana com o Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e perante o que ouviu reafirma a luta pelo Hospital dos Covões.

A Direcção da Organização Regional de Coimbra do PCP relata que o objectivo da reunião, a pedido do partido, foi de “aprofundar o conhecimento da situação das unidades que compõem o Centro Hospitalar”, relatando o seguinte:

«Partindo das grandes preocupações e objecções do PCP com as consequências da fusão dos Hospitais da Região de Coimbra, a delegação do partido colocou questões sobre encerramentos de serviços e sobre as condições de trabalho nas estruturas do Centro Hospitalar.

Tal como o PCP sempre alertou, durante a reunião foi possível confirmar que o efeito cumulativo da fusão dos hospitais com muitos encerramentos de serviços de proximidade na região Centro potenciou picos de procura nesta unidade.

A delegação do PCP não deixou de sublinhar que, neste contexto, o desmantelamento do Hospital dos Covões, a concentração de serviços no Hospital Universitário de Coimbra tornou inevitável a sobrecarga, criticando o encerramento do serviço de urgência nocturna e da unidade de cuidados intensivos, ambos no Hospital Geral dos Covões.

Confirmou-se que ainda se aguardam os resultados de uma análise à fusão feita por uma unidade de missão. O facto de ainda não existirem resultados confirma a inexistência de estudos necessários para fundamentar a fusão, que o PCP sempre denunciou, o que, tratando-se de uma fusão de três centros hospitalares, fazendo que a dimensão do processo não encontre paralelo a nível nacional, sublinha o carácter irresponsável das decisões tomadas.

Apesar de todos estes problemas, a Administração confirmou que a missão que recebeu da tutela é a de continuar e aprofundar o processo de fusão e de transformação do Hospital Geral dos Covões, opção que o PCP criticou e continuará a combater.

Na reunião foi possível confirmar o atraso na decisão do Governo sobre a construção da nova Maternidade. O PCP expôs preocupações com a concentração de serviços nas maternidades, recebendo com agrado a confirmação de que o encerramento da Unidade de Cuidados Intensivos neo-natais foi temporário.

Sobre as condições de trabalho nas unidades, a administração manifestou a intenção de regularizar os horários que sofreram alterações durante o combate à covid-19.

A necessidade de uma forte aposta nos cuidados de saúde primários foi também abordada, como forma de melhorar a capacidade de resposta do SNS e aliviar a necessidade de resposta em termos hospitalares. A intervenção do PCP tem-se pautado pela reabertura das extensões e centro de saúdes encerrados. Veja-se a recente pergunta ao Governo acerca da necessária reabertura do centro de saúde de Brasfemes, ou as contínuas intervenções pela necessidade da existência de médico e enfermeiro de família para todos os utentes.

O negócio privado da doença foi também apontado como sorvedouro dos recursos públicos, canalizando-os para a acumulação de riqueza e não para a prestação de um serviço público essencial à região e ao País. O crescimento deste negócio à medida que se desinveste no SNS parte de uma estratégia concertada, que o PCP continuará a combater.

O PCP continuará a bater-se pela saúde em Coimbra, pelo Hospital dos Covões, pelo reforço e valorização das maternidades, em defesa da saúde mental e do Hospital Psiquiátrico Sobral Cid, pelos cuidados primários de saúde e pela dignificação das carreiras dos profissionais de saúde, cujas condições de trabalho são pedra basilar do sucesso dos cuidados de saúde prestados pelo SNS».