Coimbra  9 de Julho de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PCP questiona dispensa de médicos da Urgência do Hospital da Figueira da Foz

18 de Junho 2020 Jornal Campeão: PCP questiona dispensa de médicos da Urgência do Hospital da Figueira da Foz

O PCP questionou hoje o Governo sobre a situação de mais de 20 médicos em prestação de serviços na Urgência do Hospital da Figueira da Foz, alegando que irão ser despedidos para contratação de outros através de uma empresa privada.

Na pergunta enviada ao Ministério da Saúde, os deputados comunistas Ana Mesquita, Paula Santos e João Dias argumentam que o Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) “conta com um grupo de mais de 20 médicos que desempenham funções no Serviço de Urgências através de prestação de serviços directamente ao hospital”.

“Estes médicos mantêm a disponibilidade para continuar a prestar serviços no HDF, exigindo que este assuma os compromissos celebrados em 2018 no que toca à dimensão da escala e que foram moeda de troca por redução remuneratória”, explicam.

De acordo com os deputados do PCP, o HDFF “para além de não cumprir os compromissos” com os médicos em causa, “pretende agora despedi-los e proceder à subcontratação de médicos através de empresas de aluguer de mão-de-obra, propondo-se a pagar, inclusivamente, mais à empresa do que pagava aos médicos”.

No texto entregue no Parlamento e dirigido ao Ministério liderado por Marta Temido, o PCP quer saber se o Governo tem conhecimento desta situação, como a avalia e o que pretende fazer.

“Considera o Governo que esta posição do Conselho de Administração do HDFF garante o honrar de compromissos assumidos com os trabalhadores e o integral respeito pelos seus direitos”, questionam ainda os deputados comunistas.

O PCP quer também ser esclarecido sobre a posição do Governo face à opção de serem subcontratados médicos “por uma empresa de aluguer de mão-de-obra, pagando-se mais a uma empresa privada do que directamente aos médicos”.