Coimbra  22 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PCP quer conhecer datas e verbas envolvidas na requalificação do IP3

7 de Maio 2018 Jornal Campeão: PCP quer conhecer datas e verbas envolvidas na requalificação do IP3

As direcções regionais do PCP de Coimbra e Viseu consideraram, hoje, que a requalificação do IP3 anunciada recentemente pelo Governo carece do estabelecimento de datas, definição de verbas e de prazos para a execução das obras.

Em comunicado conjunto, as duas estruturas comunistas alertam para o facto de “apenas se tratar de um anúncio, lembrando que, historicamente, os sucessivos governos se habituaram a não cumprir, no que concerne ao IP3 e aos demais compromissos assumidos perante a região e o país”.

“As direcções regionais de Coimbra e de Viseu apelam, por isso, à continuação da luta das populações, exigindo por parte do Governo uma calendarização precisa para a intervenção no IP3, com a devida disponibilização de verbas para o urgente início das obras necessárias”, refere a nota.

Os comunistas destacam a luta das populações, em particular da Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3, “que desenvolveu um conjunto significativo de acções de impacto público, chamando a atenção para o elevado estado de degradação daquela que é a estrada com maior carga de trânsito na região Centro, de automóveis ligeiros e de pesados, e que continua a ter níveis de sinistralidade mais elevados”.

“Várias vezes foram anunciados apenas 2,5 milhões de euros para realização de obras, sempre adiadas, que mal davam para reforçar a estabilidade dos taludes de aterro nos concelhos de Coimbra e Penacova, verba que era claramente insuficiente para dar resposta à intervenção profunda e estrutural, para melhorar a acessibilidade, garantir a segurança e reduzir drasticamente a sinistralidade rodoviária no IP3”, lê-se no comunicado.

As duas estruturas sublinham ainda o papel da intervenção do PCP ao longo dos anos em torno da exigência de requalificação do IP3, destacando nesse conjunto de acções a apresentação, em Abril, de um Projecto de Resolução na Assembleia da República, no qual propõe “a requalificação e alargamento, a sua manutenção sem portagens e em condições de segurança”.

O PCP reitera a urgência da intervenção no IP3 e manifesta o seu apoio aos movimentos de utentes, empresários, autarcas e populações por uma requalificação que duplique a via de circulação, com separador central e sem portagens.

A requalificação do Itinerário Principal 3 (IP3), entre Viseu e Coimbra, deverá durar três a quatro anos, afirmou na sexta-feira o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, sublinhando que o tempo de viagem vai ser reduzido em um terço.

A primeira intervenção, que já conta com projecto e avaliação de impacto ambiental, deverá arrancar em 2019, entre o nó de Penacova e o nó da Lagoa Azul, que abrange a zona mais crítica do IP3, na zona da Livraria do Mondego, disse Pedro Marques, que falava aos jornalistas após uma apresentação à porta fechada do projecto aos autarcas da Comunidade Intermunicipal (CIM) de Viseu, Dão e Lafões.