Coimbra  28 de Novembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Pampilhosa da Serra apresentou projecto de exploração vitivinícola no Vale do Zêzere

22 de Junho 2021 Jornal Campeão: Pampilhosa da Serra apresentou projecto de exploração vitivinícola no Vale do Zêzere

O potencial vitivinícola de Pampilhosa da Serra foi apresentado ontem (21), no Auditório Municipal, abrangendo uma área de 100 hectares na zona do Vale do Zêzere, na freguesia de Portela do Fojo – Machio.

O estudo para a exploração vitivinícola nesta zona tem vindo a ser desenvolvido em estreita parceria entre o Município de Pampilhosa da Serra, a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC) e a Escola Superior Agrária de Coimbra, sendo que, para o vice-presidente da Câmara Municipal, Jorge Custódio, esta é uma oportunidade única de “fazer diferente”. “Mais do mesmo não resulta”, salientou o autarca, constatando que é preciso inverter a tendência de “investimento privado reduzido”, na área da floresta que se tem verificado.

Nesse sentido, o que está em causa neste projecto, “a muito curto prazo”, é a “criação de um território com potencialidades para a exploração da vinha”, frisou Jorge Custódio, acrescentando que o poder central devia perceber que “este tipo de projecto pode fazer a diferença e ser replicado em alguns territórios”.

Para Jorge Brito, secretário-Executivo da CIM de Coimbra, este é um “projecto multifacetado”, inserido no âmbito do Plano Intermunicipal de Combate às Alterações Climáticas, que vem “corporizar uma vontade política” e que tem como objectivo fundamental “criar e demonstrar soluções sustentáveis, capazes de equilibrar a rentabilidade dos espaços florestais e a prevenção de incêndios”. Para o dirigente, esta é igualmente uma “abordagem antropológica e sociocultural”, com um forte potencial turístico, e que já foi “alvo de candidatura a Fundos Europeus”.

Jorge Brito salientou ainda que a exploração vitivinícola no Vale do Zêzere será uma das abordagens-piloto do FIREPOCTER, um projecto que foi “assinado na semana passada em Sevilha” e que, entre outros objectivos, prevê a “adaptação às alterações climáticas através da prevenção e gestão de riscos naturais em zonas rurais transfronteiriças”.

Manuel Nunes, docente da Escola Superior Agrária de Coimbra, teve ainda oportunidade de apresentar alguns dos desenvolvimentos do estudo de viabilidade técnico-económica para a instalação de vinha, no Vale do Zêzere. Os “antecedentes” e as “condições climáticas favoráveis” levam o docente a concluir que “a vinha naquela encosta será uma mais-valia”. Manuel Nunes expressou ainda que já foram identificadas várias castas que se podem adaptar às características do território. “Há bastantes soluções a obter”, manifestou, dizendo ainda que o estudo desenvolvido pela ESAC está “no final da parte técnica”, sendo que a “questão económico-financeira” é o passo que se segue.

Na sessão estiveram ainda presentes a directora regional do Centro do Instituto de Conservação da Natureza, Fátima Araújo Reis, e Daniel Gomes, administrador do Instituto Politécnico de Coimbra.