Coimbra  15 de Julho de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Paisagens sonoras de Coimbra remisturadas pelo público a partir de um móvel

7 de Julho 2023 Jornal Campeão: Paisagens sonoras de Coimbra remisturadas pelo público a partir de um móvel

As paisagens sonoras de Coimbra vão poder ser ouvidas a partir das gavetas de um móvel, que estará no Convento São Francisco, de 12 a 18 de Julho, e a partir do qual o público poderá criar o seu próprio remix.

De acordo com o presidente da direcção do JACC – Jazz ao Centro Clube, José Miguel Pereira, o mobiliário sonoro, designado MS02, vai permitir ao público encontrar, em cada uma das suas gavetas, sons das paisagens de Coimbra.

“Vai permitir que seja manuseado e que o público crie as suas paisagens sonoras a partir do móvel”, acrescentou.

A instalação sonora MS02 estará disponível ao público no Convento São Francisco, a partir de quarta-feira e até dia 18, no âmbito a 7.ª edição do Dar a Ouvir, que este ano se intitula Remix Coimbra.

José Miguel Pereira destacou o carácter especial da 7.ª edição do Dar a Ouvir, por “assinalar o 10.º aniversário do Arquivo Sonoro do Centro Histórico de Coimbra (ASCHC), um projecto que nasceu em 2013, pouco tempo depois do Jazz ao Centro Clube ter mudado para o Salão Brazil”.

“Nós fizemos um convite ao paisagista sonoro Luís Antero, para que iniciasse connosco o projecto do arquivo sonoro e a ideia era estabelecer conexões com o território e com as comunidades do centro histórico de Coimbra, onde nós estávamos. Este arquivo sonoro antecipou um pouco o que depois se veio a constituir como Serviço Educativo do Jazz ao Centro Clube”, recordou.

A partir de 2016, o arquivo sonoro passou a ter um mobiliário sonoro, fruto de uma parceria com o Centro de Informática e Sistemas da Universidade de Coimbra, “permitindo uma interacção com o público que, no ano seguinte, deu origem ao Dar a Ouvir”.

“É por isso que uma parte significativa do Dar a Ouvir é dedicada ao arquivo sonoro. Por outro lado, convidámos três artistas sonoros, a Joana de Sá, a Sara Pinheiro e o António Ramires, para remisturarem o arquivo sonoro”, referiu.

José Miguel Pereira explicou que estes artistas sonoros pegaram no material do arquivo, “com gravações de campo feitas em vários locais da cidade de Coimbra, e, a partir da sua prática artística sonora, construíram três espectáculos”.

“São estes três espectáculos que nos serão apresentados, em que usam esse material do arquivo e criam concertos através dele. Este é o centro do Dar a Ouvir, a que chamamos, por isso, Remix Coimbra”, indicou.

Quase todo o programa desta 7.ª edição do Dar a Ouvir decorre no Convento de São Francisco, na margem esquerda do rio Mondego, com excepção do último dia (18), que acontece no Salão Brazil, para celebrar o Dia Mundial da Escuta.

O Convento São Francisco acolhe ainda “uma peça muito importante”, que se divide em três actividades: uma instalação, um concerto e uma oficina, no âmbito do projecto CasaFloresta, um veículo de pesquisa, reflexão e criação artística em torno da floresta no Parque Natural da Serra da Estrela e sua envolvente, concebido por Joana Sá, Luís J. Martins, Corinna Lawrenz e Nik Völker.

“Dar a Ouvir. Paisagens Sonoras da Cidade” é um projecto desenvolvido pelo Serviço Educativo do Jazz ao Centro, em co-organização com a Câmara Municipal de Coimbra.