Coimbra  12 de Abril de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Orquestra Clássica do Centro avança com projecto “Desconstrução”

11 de Maio 2023 Jornal Campeão: Orquestra Clássica do Centro avança com projecto “Desconstrução”

“Desconstrução” é o nome dado ao projecto dirigido a jovens que vivem em instituições de acolhimento e que foi apresentado no Pavilhão Centro de Portugal, em Coimbra.

A iniciativa é da associação Orquestra Clássica do Centro e resulta de uma parceria com a PAJE – Plataforma de Apoio a Jovens Ex-Acolhidos e o Tribunal da Comarca de Coimbra.

Emília Cabral Martins, presidente da Direcção da Orquestra Clássica do Centro, sublinhou “a importância que o acesso à cultura tem por ser um instrumento importante de reforço da integração e coesão social”, assim como “a importância da intervenção comunitária e da sua relevância política, económica e social”, para justificar o programa designado por “Desconstrução”.

Dirigido a crianças e jovens institucionalizados, este é um projecto a quatro anos, que resulta da programação que viu apoiada pela DGArtes, para além do apoio institucional do Município de Coimbra, há já 23 anos.

Para Emília Cabral Martins, a “inclusão” é palavra chave na linha programática da OCC, “indissociável da defesa dos Direitos Humanos, códigos de conduta e referência absolutamente essências que estão, aliás, também na base desta parceria”.

A magistrada do Ministério Público coordenadora da Comarca de Coimbra, Ana Simões, referiu que “a colaboração neste projecto visa, dentro das suas especiais competências de promoção e protecção dos direitos das crianças e dos jovens, contribuir para, num ambiente informal de convívio e aprendizagem, desmistificar o papel dos magistrados e do Tribunal nas suas vidas”.

“Com todo o gosto aceitámos colaborar neste projecto, porque os cuidadores ‘cuidam as dores’, referiu João Pedro Gaspar, presidente da Direcção da PAJE. “Todos os humanos deveriam ter pelo menos uma pessoa que os amasse incondicionalmente e a verdade é que meninos que chegam a casas de acolhimento não têm esta referência”. “A consequência é termos meninos que por não terem quem os ame deixam de se amar a si próprios, por entenderem que o problema está neles e não nos outros. Entendo que projectos como este podem ajudar a desconstruir e ressignificar eventuais autoconceitos que os lesem”, acrescentou.

Para Maria José Bandeira, procuradora-geral Distrital de Coimbra até 2021, membro do Conselho Cultural da OCC, este projecto “é a continuação do trabalho que a OCC tem desenvolvido com as escolas ou IPSS´s ao longo dos anos”. “Procuramos que nesta ‘Casa’ – Pavilhão Centro de Portugal, as crianças encontrem o colorido que caracteriza a amizade e o bem querer. Que este seja uma aprendizagem partilhada, de convívio através da arte e quem sabe a descoberta de talentos, de profissões para o futuro de muitos destes jovens”, referiu.

Para este primeiro ano o critério de escolha das instituições (casas) de acolhimento foi a proximidade geográfica da Casa que acolhe este projecto, o Pavilhão Centro de Portugal, no Parque Verde do Mondego. Vão participar cerca de 25 jovens da Casa de Formação Cristã da Rainha Santa, do Colégio S. Caetano – Santa Casa da Misericórdia de Coimbra e da Casa de Infância Doutor Elysio de Moura. Os ensaios para o espectáculo final, a realizar em Novembro, acontecem duas vezes por mês.

Para falar do trabalho desenvolvido nas Casas de Acolhimento e do projecto que agora se inicia decorrerá um Encontro no próximo sábado, dia 13, às 17h00 no Pavilhão Centro Portugal. O tema será a “Inclusão – a nossa Casa” e vão intervir Maria Augusta Alves – Casa de Formação Cristã da Rainha Santa; Rosária Pinto – Colégio S. Caetano – Santa Casa da Misericórdia de Coimbra; Vera Ribeiro – Casa de Infância Doutor Elysio de Moura; João Pedro Gaspar – PAGE; Ana Simões – Magistrada do Ministério Público, coordenadora da Comarca de Coimbra; com a moderação de Emília Cabral Martins – Direcção da Orquestra Clássica do Centro.

Segundo a OCC, fica o convite para um café ou chá com a colaboração da Associação Olhar 21 (de apoio à inclusão do cidadão com trissomia 21).