Coimbra  12 de Novembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Orphika dá início à “nova” Semana Cultural da Universidade de Coimbra

31 de Outubro 2019

Maria do Rosário Pinheiro, do Coro Sinfónico Inês de Castro; Pedro Ferrão, do Museu Nacional de Machado de Castro; Delfim Leão, vice-reitor da UC; e Pedro Estudante, do projecto ‘Mundos e Fundos’

 

O ciclo de música “Orphika”, a decorrer entre 08 de Novembro e 08 de Dezembro, é o prólogo da renovada “Semana Cultural da Universidade de Coimbra”, que este ano se estende de 01 a 15 de Março, sob o tema “Ousadias”.

Ousado é, também, este ciclo, que surge na sequência deste novo paradigma da iniciativa cultural da Universidade, que pretende estender as actividades que, anteriormente se concentravam em pouco mais de um mês.

O “Orphika” percorre a história da música, desde os séculos XVI e XVII até à mais contemporânea, tendo como palco diversos espaços emblemáticos da UC e da cidade, envolvendo grupos locais mas, também, estudantis.

No total serão 10 espectáculos e 12 eventos convergentes, que têm como principal objectivo “facultar emoções fortes e o contacto com os agentes dessa emoção, permitindo viajar entre dimensões diferentes”, revelou o vice-reitor Delfim Leão.

Esta é o início da “nova” Semana Cultural da UC, que ao estender-se por todo o ano, permitiu “libertar espaço e recursos para ter uma maior oferta cultural”, adiantou.

Para Delfim Leão, este ciclo tem três princípios basilares: a vertente performativa, com os espectáculos musicais; a vertente de formação, despertando esse interesse nos jovens; e a vertente de investigação, uma vez que alguns dos espectáculos terão como base composições esquecidas há centenas de anos, muitas delas espólio da Biblioteca Geral da UC.

Destacam-se, por isso, os espectáculos de abertura, do projecto “Mundos e Fundos” (grupo de investigadores da UC que se dedica a recuperar e interpretar repertório secular, em particular dos séculos XVI e XVII, grande parte utilizado nesse período no Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra), com os grupos Cupertino e O Bando de Surunyo, a 08 de Novembro, na capela de S. Miguel. Este mesmo projecto dinamizará várias conferências (as Jornadas Mundos e Fundos 2019) com jovens investigadores, “uma excelente forma de transferência de saberes”, revelou um dos responsáveis do “Mundos e Fundos”, Pedro Estudante.

Outro dos destaques é o concerto de Natal, que encerrará este ciclo e que juntará, no palco do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) o Coro Sinfónico Inês de Castro, o Coro Misto da UC, o Orfeon Académico de Coimbra e o Coro da Capela da UC. Este espectáculo único com mais de 100 vozes em palco e dividido em duas partes. Por concentrar um grande investimento, este será a única actividade paga deste ciclo, tendo os bilhetes o preço único de 10 euros.

A programação inclui, também, o III Encontro de Orquestras Académicas, um concerto de música barroca (tendo como protagonista o grupo espanhol La Folia), recital de Fado de Coimbra; de piano e um concerto de órgão; nos eventos convergentes, o programa conta com um festival de tunas e de tunas femininas, várias sessões do ‘Natal nas Faculdades’ e, a encerrar, a missa “Concerto In Memoriam”, na Capela da Misericórdia, com o Orfeon Académico, a 07 de Dezembro.

O vice-reitor Delfim Leão congratulou-se com a “forte presença dos estudantes, das forças vivas da Universidade” nesta iniciativa, destacando que este ciclo pretende, também, “estimular essa participação cultural e conseguir projecção internacional”.

Este é o primeiro ciclo de eventos no âmbito da Semana Cultural da Universidade de Coimbra, estando o segundo – intitulado “Mimesis” – direccionado para o teatro e para as artes, previsto para meados de Maio e meio de Junho do próximo ano.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com