Coimbra  1 de Dezembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ordem dos Médicos do Centro alerta para comportamentos de risco em “semana sensível”

14 de Setembro 2020 Jornal Campeão: Ordem dos Médicos do Centro alerta para comportamentos de risco em “semana sensível”

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) pediu hoje para que sejam evitados “comportamentos que coloquem em risco a saúde pública no âmbito da actual situação pandémica” e que sejam adoptadas boas práticas de saúde pública.

A Ordem classifica como “muito sensível” a semana que arrancou esta segunda-feira (14), devido ao regresso da actividade escolar, o fim das férias e a aproximação do Outono/Inverno, com o aumento gradual das infecções respiratórias.

“Tem de haver responsabilidade no comportamento das pessoas e das instituições, para que todos, de forma irrepreensível, possam cumprir as recomendações básicas na vida quotidiana – designadamente distanciamento social, protecção individual e higienização”, declara o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.

Carlos Cortes sublinha que os hospitais, os centros de saúde e os seus profissionais estão “afincadamente”, desde Março, na linha da frente dando resposta à pandemia.

“Muitos já estão exaustos. Por isso, os comportamentos que têm vindo a público e que são potenciadores de surtos e de disseminação do vírus são inaceitáveis, desrespeitam quem está a lutar contra o vírus e todas as pessoas, sobretudo, as mais debilitadas e as mais vulneráveis”, reforça.

A SRCOM está a desenvolver, desde Julho, uma campanha para “alertar e sensibilizar o maior número possível de pessoas” para a adopção das boas práticas de saúde pública e de comportamentos seguros.

Carlos Cortes manifesta especial apreensão com a “incúria e a desresponsabilização face à organização de eventos sem as devidas precauções e sem as medidas essenciais de protecção face à actividade viral”.

O líder da SRCOM pede mesmo “aos titulares do Ministério da Saúde, da Direcção-Geral da Saúde e das demais autoridades” que forneçam com “clareza” as regras a adoptar na realização de eventos.

“O país e os profissionais de saúde estão a desenvolver, há mais de seis meses, um trabalho gigantesco e afincado para travar esta pandemia. É preciso respeitar esse trabalho meritório”, conclui Carlos Cortes.