Coimbra  15 de Julho de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Oito bandas disputam Festival Metamorfose de Soure nas redes sociais

29 de Junho 2023 Jornal Campeão: Oito bandas disputam Festival Metamorfose de Soure nas redes sociais

Os oito projectos musicais seleccionados para o III Festival Metamorfose de Soure vão apresentar-se em direto nas redes sociais da organização, nos períodos de 10 a 13 e de 17 a 20 de Julho.

A partir de um total de 55 candidaturas, o júri do concurso escolheu os oito concorrentes: Bombazine, Cobra ao Pescoço, Eduardo Branco, EN1, Leo the Painter, Raiva Rosa, Safari Zone e Sleep Therapy.

Os Bombazine são uma banda de Lisboa, “com músicas feitas de pura amizade, ritmo, boa disposição e calçado confortável”, enquanto Cobra ao Pescoço “é um projecto emergente da Figueira da Foz que adiciona ao ‘punk rock’ nacional um poderoso conjunto de ‘riffs’, bateria marcante e poemas ‘hardcore'”, afirmam os responsáveis do Metamorfose, uma iniciativa conjunta da Academia de Música de Coimbra e da Câmara Municipal de Soure.

“Desde Coimbra, chega Eduardo Branco. O cantor, letrista, compositor, produtor e guitarrista começou a carreira a solo em 2017 e, desde então, já actuou em várias salas de espectáculos”, adiantam.

Já os EN1 “são uma banda de Leiria, com um estilo onde o ‘rock’ é predominante, com distorção, solos e ‘power chord’”, ao passo que Leo The Painter “é uma banda portuense, com músicas que abordam temas como feminismo, violência, libertação e questões existenciais”.

“De Bragança, chegam os Raiva Rosa, formados em 2019, com o ‘rock’ como essência, e que lançaram este ano o seu primeiro álbum, ‘O Gato Matou a Curiosidade’. Os Safari Zone são uma banda lisboeta de ‘indie rock’ que querem levar o público a uma viagem imersiva, com músicas que são jornadas introspectivas”.

A música da banda Sleep Therapy, fundada em 2022 nos arredores do Porto, “combina elementos do ‘metalcore’ com a melancolia e atmosfera do ‘shoegaze’ e do ‘rock’ alternativo”.

Os oito seleccionados habilitam-se a prémios monetários no valor total de 3.000 euros, com direito a realizarem actuações ao vivo.

O “novo rosto” da terceira edição do Metamorfose será Joana Lucas, encenadora, dramaturga, atriz e professora de expressões, natural de Soure, seleccionada no âmbito de um ‘casting’ para a co-apresentação do festival.

O concurso de bandas ao III Festival Metamorfose decorreu até 7 de Junho, devendo o programa encerrar em Setembro com actuações ao vivo coincidentes com a meia-final e a final, disputadas em actuações ao vivo.

As quatro finalistas serão reveladas em 25 de Julho, com resultados apurados, entre 21 e 24 de Julho, através de votação remota do público conjugada com a deliberação do júri.