Coimbra  24 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Novo bispo de Viseu foi enfermeiro em Coimbra

3 de Maio 2018 Jornal Campeão: Novo bispo de Viseu foi enfermeiro em Coimbra

António Luciano dos Santos Costa foi hoje nomeado pelo Papa como novo bispo de Viseu, sucedendo assim a Ilídio Leandro, que em 2017 pediu a resignação por motivos de doença, anunciou a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).

O sacerdote, que era até ao momento vigário episcopal para o clero da diocese da Guarda, nasceu a 26 de Março de 1952 em Corgas, freguesia de Sandomil, concelho de Seia.

Depois de ter frequentado a escola primária de Corgas e o colégio de N.ª Sr.ª da Conceição, em São Romão, António Luciano dos Santos Costa ingressou na Escola de Enfermagem de Dr. Ângelo da Fonseca, em Coimbra, e trabalhou como enfermeiro nos Hospitais da Universidade.

Após cumprir o serviço militar em Moçambique, retomou funções na mesma unidade hospitalar, completando a formação em enfermagem.

No ano lectivo de 1980/81 iniciou o seu percurso para a formação sacerdotal, tendo sido ordenado diácono a 08 de Dezembro de 1984 e, no Verão seguinte, presbítero, na Sé Catedral da Guarda, diocese onde desempenhou várias funções e foi, também, professor de Educação Moral e Religiosa Católica.

Enviado para Roma com a finalidade de estudar Teologia Moral na Academia Alfonsiana no biénio de 1987/1989, o sacerdote integrou a Comunidade do Pontifício Colégio Português, informa a CEP, adiantando que, “em Outubro de 1989, iniciou funções de professor de Teologia Moral no Seminário Maior da Guarda e de Deontologia Profissional e Ética na Escola de Enfermagem, funções que exerceu até ao ano académico de 2011”.

António Luciano dos Santos Costa foi também vice-postulador da Causa de Beatificação e Canonização de João de Oliveira Matos, que foi bispo auxiliar da Guarda, tendo sido igualmente nomeado juiz do Tribunal Eclesiástico e notário para as causas de Beatificação e Canonização de monsenhor Joaquim Alves Brás e da beata Rita Amada de Jesus.

“Empenhou-se como padre, professor, pároco, capelão e vigário episcopal para o clero em várias frentes de acção pastoral na sua diocese”, salienta a Conferência Episcopal, acrescentando que foi também sacerdote de várias paróquias, primeiro no arciprestado da Guarda e depois no da Covilhã.

Segundo a CEP, nesta cidade “iniciou trabalho pastoral no mundo universitário e, graças a diligências feitas pelo primeiro reitor”, foi possível criar na Universidade da Beira Interior uma capelania promovida pela própria instituição de ensino.