Coimbra  23 de Julho de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Museu do Azeite de Sete Quintas acolhe exposição de Santiago Ribeiro

2 de Julho 2024 Jornal Campeão: Museu do Azeite de Sete Quintas acolhe exposição de Santiago Ribeiro

Entre os dias 10 de Julho e 30 de Agosto, o Museu do Azeite de Sete Quintas, localizado em Miranda do Corvo, vai ser palco da exposição “Explorando o Surrealismo”, que visa redefinir as percepções da arte. Santiago Ribeiro, pintor conimbricense, vai apresentar as suas obras ao lado da arte digital de Nikolina Petolas, das criações de Paula Rosa e das esculturas de João Duarte.

“Vindos de diversas origens, estes artistas convergem sob a bandeira do surrealismo, desafiando as normas artísticas convencionais e convidando os espectadores a um reino de imaginação sem limites”, descreve a organização do evento. Sublinha ainda que “como membros estimados do movimento International Surrealism Now, estes artistas representam a vanguarda do surrealismo contemporâneo, ultrapassando os limites da expressão artística”, sendo que “através das suas obras, os espectadores embarcarão numa viagem transformadora, onde a realidade se entrelaça com os sonhos e o simbolismo reina supremo”.

O Museu do Azeite de Sete Quintas veio a revelar-se o lugar ideal para a exposição, já que “oferece um vislumbre dos métodos tradicionais de produção de azeite da região, ecoando a harmonia entre a natureza e o engenho humano”, acrescenta a organização. Apresentado pelo Turismo Sete Quintas/Museu do Azeite, em colaboração com o artista Santiago Ribeiro, “Explorar o Surrealismo” convida toda a população a “desvendar os mistérios do surrealismo, onde cada pincelada e criação digital narra uma história à espera de ser descoberta”.

Santiago Ribeiro nasceu em Coimbra e viveu a sua infância e adolescência em Condeixa. Mais tarde, foi na Escola Integrada Avelar Brotero, em Coimbra, que tirou o Curso Técnico de Artes e Ofícios. Em 2006, ingressou na Escola Superior de Educação, na mesma cidade. O seu trabalho está espalhado por várias colecções particulares da região, nomeadamente, na Colecção de Arte Contemporânea do Museu Nacional Machado de Castro e na Fundação Bissaya Barreto.