Coimbra  25 de Julho de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Município de Coimbra vai estender limpeza no Mondego a montante da Portela

27 de Abril 2021 Jornal Campeão: Município de Coimbra vai estender limpeza no Mondego a montante da Portela

O presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, disse que o Município vai investir cerca de meio milhão de euros na limpeza do rio Mondego a montante da ponte da Portela.

“É mais uma etapa que se avança para a qualidade do rio Mondego. Nós não estamos interessados no rio desde ontem, andamos neste trabalho há muitos anos”, sublinhou Manuel Machado aos jornalistas, no final da sessão de Câmara de segunda-feira.

O autarca adiantou que a intervenção vai avançar já e durar “até o dinheiro chegar”, salientando que desde o final da década de 80 do século XX pensa em “casar” as margens do rio e que “continua apostado nisso”.

O rio Mondego “é um bem preciosíssimo, que deve ser preservado, protegido, cuidado e limpo”, frisou o presidente da Câmara de Coimbra.

Salientando que as margens têm de ser limpas por causa das infestantes, que são prejudiciais, Manuel Machado aludiu também à falta de civismo de algumas pessoas, que têm depositado naquelas áreas baterias, placas de amianto, carcaças de automóveis “e outras coisas mais, que são inaceitáveis”.

“O nosso objectivo é limpar isso, pois nós temos gosto em ter o rio bonito””, sustentou o autarca, adiantando que a limpeza vai incidir a montante da ponte da Portela.

O Executivo municipal de Coimbra foi recentemente muito criticado pela oposição e algumas associações ambientalistas por ter efectuado uma intervenção na zona entre o Rebolim e a ponte da Portela, na margem direita.

A 26 de Março, na Assembleia Municipal, o presidente da Câmara de Coimbra garantiu que a intervenção era legal e visava eliminar espécies infestantes e remover resíduos.

A Câmara de Coimbra salienta que a estratégia de virar a cidade para o Mondego contabiliza, nos últimos anos, investimentos superiores a 30 milhões de euros, sendo os mais significativos o desassoreamento do leito, requalificação do Parque Manuel Braga e respectivos muros e a requalificação da margem direita do rio, entre a ponte de Santa Clara e o Açude-Ponte.