Coimbra  13 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Município de Cantanhede está disponível para reforçar cooperação com a AEC

23 de Fevereiro 2021 Jornal Campeão: Município de Cantanhede está disponível para reforçar cooperação com a AEC

A análise da cooperação institucional entre o Município de Cantanhede e a AEC – Associação Empresarial de Cantanhede foi o principal assunto da agenda da reunião da presidente da autarquia cantanhedense com Cristina Antunes, presidente da nova direcção da entidade representativa das empresas do concelho.

O encontro foi marcado na sequência da tomada de posse dos novos órgãos sociais, no final do ano passado, e “serviu para fazer um ponto da situação relativamente ao papel da AEC como interlocutora da Câmara Municipal em matérias que têm a ver com as acções de dinamização da base económica do concelho”, informou o Executivo.

Cristina Antunes “gostaria de levar mais longe” este papel, tendo Helena Teodósio, presidente da Câmara Municipal de Cantanhede, manifestado “inteira disponibilidade para que este seja aprofundado”, até porque reconhece à associação “o estatuto de parceira do Município na implementação das medidas de fomento económico”.

Uma das questões abordadas foi o Fundo Municipal de Emergência de Apoio Empresarial criado pela Câmara de Cantanhede para mitigar o impacto da pandemia da covid-19 na actividade dos agentes económicos. A presidente da AEC defendeu que “devia ser alterada a condicionante de só poderem recorrer as empresas que sofreram uma quebra de facturação igual ou superior a 33,3% relativamente ao período homólogo de 2019, alargando esse apoio às que baixaram em 25% ou mais o seu volume de negócios, pois para algumas, sobretudo para as mais pequenas, isso representa já uma enorme dificuldade”.

Relativamente a isto, Helena Teodósio explicou que “quando se tratou de definir critérios de admissão de candidaturas a opção foi considerar a percentagem de quebra de facturação que o Governo estabeleceu para comparticipar os custos com o ‘layoff’ provocado pela pandemia”, mas manifestou abertura para “analisar a dotação do fundo e equacionar a possibilidade de outras empresas poderem beneficiar do apoio, bem como da redução das despesas com o consumo de água, a descarga de águas residuais e a produção de resíduos urbanos também adoptada no âmbito das medidas destinadas a mitigar o impacto da crise sanitária”.

A autarquia está, ainda, empenhada em atender o mais rapidamente possível ao pedido da AEC para que seja criado em Cantanhede um parque de estacionamento de veículos pesados com algum equipamento de apoio aos condutores, de modo a melhorar as condições para a realização das operações logísticas e de transporte de mercadorias que envolvam empresas do concelho.

Para o efeito, o Executivo já indicou um terreno, nas imediações da Zona Industrial de Cantanhede, tendo a presidente da AEC ficado de dar o parecer da associação logo que o assunto seja discutido na direcção.

Foi, também, analisada a aplicação da derrama, sobre a qual a presidente da Câmara Municipal lembrou que as empresas com facturação inferior a 150 000 euros estão isentas, além de que o valor apurado por essa via se destina, exclusivamente, à valorização das zonas industriais do concelho.

Outro dos compromissos estabelecidos entre Helena Teodósio e Cristina Antunes foi o reforço da cooperação entre as entidades que representam, o que deverá passar também por uma maior regularidade da comunicação, nos dois sentidos, relativamente a questões que interessam a ambas.