Coimbra  11 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

“Movimento + Saúde” promete ficar atento à gestão de antigo Hospital de Lorvão

30 de Março 2021 Jornal Campeão: “Movimento + Saúde” promete ficar atento à gestão de antigo Hospital de Lorvão

A Direcção do Movimento + Saúde reuniu, na passada quinta-feira (25), com o objectivo de avaliar o trabalho realizado e repensar a actividade futura, face à entrega das instalações do Hospital de Lorvão a uma entidade privada para a instalação de um hotel, tendo prometido “ficar atento à boa gestão dos bens públicos e à manutenção do património edificado”.

“Conseguimos convencer inúmeras entidades oficiais, associações científicas e outras ligadas à saúde, sobre a necessidade do serviço de Cuidados Continuados de Média Duração e Reabilitação e de Longa Duração, especialmente na área da Saúde Mental, e a sua instalação no Hospital de Lorvão. Contudo, temos que reconhecer a nossa incapacidade de convencer os autarcas locais, da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia, que apoiando o governo nas suas intenções, os levaram a cometer aquilo que se nos afigura como um erro histórico”, lê-se na nota enviada pelo Movimento.

“Persistindo a enorme carência de vagas em Unidades de Cuidados Continuados de Média Duração e Reabilitação, razão que esteve na origem do Movimento + Saúde para o Hospital de Lorvão, e já que os nossos autarcas não quiseram aproveitar esta oportunidade para aqui, continuaremos a luta pela sua criação noutras localidades ou noutros concelhos, mostrando-nos também disponíveis para apoiar outras instituições e movimentos que lutem por esta causa”, acrescentou.

“Lorvão, pela sua história, pelo acolhimento e competências que desenvolveu, tinha/tem excelentes condições de responder aos novos problemas causados pela pandemia, como o agravamento das condições de saúde mental e até de sobrevivência, a que urge criar respostas de Saúde Mental, as Unidades Sócio-Ocupacionais, programa enquadrado no PRR – Plano de Recuperação e Resiliência, aproveitando o financiamento previsto neste programa”, afirmou, ainda, o Movimento.

“Se não conseguimos trazer a Unidade de Cuidados Continuados para Lorvão, conseguimos, pelo menos, colocar esta preocupação em debate público e institucional. Para que o assunto não fique à sorte de cada um, ou apenas ao alcance daqueles que podem pagar, prosseguiremos com acções de sensibilização dos poderes, ao nível regional e nacional, pela criação destes serviços de saúde para a população mais vulnerável”, concluiu.