Coimbra  12 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Movimento quer nova Maternidade de Coimbra a respeitar direitos reprodutivos

24 de Março 2021 Jornal Campeão: Movimento quer nova Maternidade de Coimbra a respeitar direitos reprodutivos

O movimento Nascer em Coimbra defendeu, esta quarta-feira, que o processo de construção da nova Maternidade da cidade e da região deve salvaguardar os direitos sexuais e reprodutivos, o protagonismo das mulheres e figuras parentais, e a humanização do parto.

“De que Maternidade nós precisamos? Que cuidados queremos oferecer aos pais, às mães e aos recém-nascidos?”, questionou o investigador Tiago Rolim, numa conferência de imprensa em que o movimento divulgou a sua posição sobre o futuro equipamento de saúde.

Tiago Rolim realçou que “a legislação nacional e as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) devem constituir a base fundamental” de um processo em que “é consensual a ideia da urgência da construção de uma nova Maternidade” em Coimbra.

O movimento, que desvaloriza a localização, preconiza um “importantíssimo debate” que passe sobretudo por “analisar publicamente também as questões do ‘como’, do ‘para quê’ e ‘para quem’”.

“Entendemos que é mais do que tempo de exercer cidadania e visibilizar áreas até agora ocultas ou desvalorizadas nesta longa discussão”, refere no documento, que será enviado ao Ministério da Saúde e a outras entidades públicas envolvidas no processo decisório.

Para Maria Neto, professora da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, importa que a nova maternidade “coloque os direitos sexuais e reprodutivos dos casais e das mulheres no centro de todos os cuidados”.

“Não importa muito o local, desde que as directrizes estejam definidas, o que fará toda a diferença”, corroborou, por sua vez, Monalisa Barros, psicóloga e professora universitária.

Tiago Rolim começou por salientar que Portugal registou “progressos importantes nos indicadores de morbimortalidade maternoinfantil”, nos últimos 50 anos, uma evolução associada à “melhoria das condições de vida e dos comportamentos em saúde”, bem como às políticas sociais, com destaque para o Serviço Nacional de Saúde.

“Termos chegado aqui não nos permite dizer que tudo está feito. Um exemplo disso é a preocupante subida da taxa de mortalidade materna em Portugal, que nos coloca neste momento no quarto pior lugar da União Europeia”, lamentou.

O movimento acredita que as suas propostas “permitirão que a nova maternidade ofereça condições físicas, técnicas e humanas capazes de igualarem o que de melhor e mais adequado se faz em diferentes países”.

“Entendemos que, além de serem discutidas as necessárias questões de localização e financeiras, é urgente ter em conta alguns princípios basilares”, preconiza no texto.

Para os activistas, “tendo presente a realidade social e familiar e a evidência científica disponível em diferentes áreas, da saúde, social, jurídica, arquitetónica, entre outras, é fundamental atender ao conhecimento existente e à consequente nova oferta de serviços”.

“Enquanto a nova Maternidade não for construída, urge que voltemos a atenção à situação das actuais maternidades [Bissaya Barreto e Daniel de Matos, integradas no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, CHUC], que devem actualizar alguns dos seus serviços a partir das recomendações expostas neste documento”, propõem.

Na sessão, realizada em formato de videoconferência, participaram ainda Cláudia Ascher e Sandra Silvestre, do Nascer em Coimbra, além de elementos do público.