Coimbra  2 de Março de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Mortes no IP3 serão mais de 150 em 32 anos, mas faltam dados oficiais

14 de Outubro 2023 Jornal Campeão: Mortes no IP3 serão mais de 150 em 32 anos, mas faltam dados oficiais

O número de vítimas mortais no Itinerário Principal 3 (IP3) entre Coimbra e Viseu ascenderá a mais de 150 desde 1991, quando a via foi inaugurada, mas faltam dados oficiais e há números díspares entre autoridades.

De acordo com uma avaliação feita pela agência Lusa, o número de vítimas mortais situa-se em 153, levando em conta relatórios de sinistralidade da antiga Direcção-Geral de Viação (DGV), Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) e dados fornecidos pela GNR, apesar de as metodologias de cálculo dos acidentes com mortos e feridos graves, e a forma de os divulgar, terem sofrido alterações ao longo dos anos, concorrendo para as discrepâncias encontradas.

Desde logo, entre 1991 e 1998, não há dados oficiais públicos sobre o número de acidentes graves ocorridos no primeiro troço a ser inaugurado, a ligação de 24 quilómetros (km) entre Souselas (Coimbra) e Penacova, nem sobre os troços do distrito de Viseu, que entraram em funcionamento até ao final da década de 1990.

Uma das poucas informações disponíveis sobre a primeira década do IP3 está integrada numa recolha feita pelo Diário de Notícias, em 2010, e apenas sobre o troço de 21 km no município de Penacova (Coimbra), que, na altura, registava, segundo relatórios operacionais da época, um total de 104 mortos em 19 anos.

Os dados oficiais disponíveis na página de Internet da ANSR referem-se a relatórios de sinistralidade oriundos da antiga DGV (1999 a 2006) e daquela autoridade rodoviária (a partir de 2007 até aos dias de hoje), mas só a partir de 2004, e com algumas excepções, é que os dados de acidentes graves no IP3 são consistentes.

Até então, em cinco anos, de 1999 a 2003, apenas são públicos os números de acidentes ocorridos em ‘pontos negros’ [lanço de estrada com o máximo de 200 metros de extensão, no qual se registaram, no ano em análise, pelo menos cinco acidentes com vítimas] do IP3 (que variavam entre dois e cinco “pontos negros”) naquele período e apenas no distrito de Coimbra.

Esses totalizaram, naqueles cinco anos e segundo os mesmos relatórios, quatro mortos e 17 feridos graves em 90 acidentes. Falta nestes dados, entre outros exemplos, o acidente mais grave alguma vez ocorrido no IP3 (14 mortos e 24 feridos), o despiste para uma ravina no Vimieiro (Santa Comba Dão) de um autocarro da Câmara Municipal de Viseu que transportava idosos, em Março de 2001. Era uma zona não assinalada como “ponto negro”.

Em 2004, porém, a DGV passou a apresentar relatórios distritais de sinistralidade, que incluíam uma listagem de acidentes com mortos e feridos graves, com o dia e hora da ocorrência, localização por concelho e via de comunicação.

Em seis anos, até 2009, a ‘contabilidade’ de acidentes graves da DGV e ANSR (esta a partir de 2007) no IP3 resultou num total de 29 mortos e 46 feridos graves. Santa Comba Dão (10 mortos), Viseu (seis mortos em dois acidentes, ambos em 2006) e Penacova e Tondela (cinco mortos cada) foram os municípios onde se registaram mais vítimas mortais naquele período, a maioria devido a colisões frontais.

Discrepâncias

A partir de 2010, os mortos, em todo o território nacional, passaram também a ser contabilizados a 30 dias e não só no local do acidente e durante o transporte até à unidade de saúde, como sucedia até então.

Nesse primeiro ano de novas regras, a ANSR apenas indica um morto em Penacova, não havendo dados dos restantes concelhos. Entre 2011 e 2018 (oito anos), os números oficiais ascendem a 21 mortos e 59 feridos graves, com destaque para 2017, o único ano em que não se registaram vítimas mortais no intervalo analisado.

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária – a quem a Lusa pediu, por escrito, há três semanas, os números de acidentes com vítimas mortais no IP3, desde 1991, não obtendo qualquer resposta – voltou a alterar, em 2019, o formato da informação pública: deixaram de existir relatórios distritais (com indicação de dia, hora e local do acidente) para passar a um único relatório nacional, tendo desaparecido, nesse ano, a listagem de acidentes e a contabilização de mortos a 30 dias.

Sem dados de 2019, esses foram fornecidos pela GNR, que, a pedido idêntico ao da ANSR, respondeu com números de acidentes, vítimas mortais e feridos graves, mas apenas no período entre 2018 e a actualidade, nos distritos de Coimbra e Viseu.

Segundo a GNR, em 2019, o IP3 registou dois mortos e três feridos graves, todos no distrito de Viseu. Daí para a frente, a ANSR passou a publicar uma lista nacional de acidentes com vítimas mortais, a qual, quando comparada com os números da GNR, contém várias discrepâncias.

As duas entidades coincidem em 2020 – um morto em Viseu (Mortágua) – mas não nos anos seguintes de 2021 e 2022: a GNR não apresenta quaisquer dados de acidentes nesses dois anos em Viseu, e, no distrito de Coimbra, registou 208 acidentes, com um morto (em 2022) e cinco feridos graves.

Já a ANSR, nos mesmos dois anos, assinala quatro mortos: três mortos em Viseu em 2021 e um morto em Coimbra em 2022, algo que não sucedia naquele município desde 2007.

Nos dados enviados à Lusa, a GNR aponta 560 acidentes ocorridos no IP3 no distrito de Coimbra, entre 2018 e a actualidade, e apenas 47 (12 vezes menos) no distrito de Viseu, cujo percurso é sensivelmente o dobro em quilometragem.

Por último, nos primeiros seis meses deste ano, a ANSR não tem registo de vítimas mortais no percurso total do IP3, enquanto a GNR assinala três acidentes no distrito de Viseu (com um morto e quatro feridos graves) e 58 acidentes em Coimbra, com dois feridos graves.

José Luís Sousa (texto), agência Lusa