Coimbra  24 de Agosto de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Montemor-o-Velho lança campanha de solidariedade com Moçambique

25 de Março 2019

A Câmara de Montemor-o-Velho anunciou, hoje, que lançou uma campanha de solidariedade com a população de Moçambique afectada pelo ciclone Idai, através da recolha de bens considerados prioritários, em articulação com os bombeiros e protecção civil.

A campanha vai durar até às 17h00 de sexta-feira, através do Serviço Municipal de Protecção Civil e com a colaboração dos Bombeiros Voluntários de Montemor-o-Velho.

A autarquia garante que irá assegurar que todos os bens serão entregues ao povo moçambicano.

“Para um maior controle e transparência de todo o processo, aquando da entrega dos bens deverá ser preenchido um formulário com a identificação das doações”, avisam os serviços municipais.

Entre os bens solicitados, destacam-se alimentos de validade prolongada, como enlatados, empacotados, arroz, açúcar, massa, óleo; produtos de higiene pessoal; meios de purificação de água, nomeadamente cloro e detergentes; bens de abrigo, redes mosquiteiras, repelente, tendas, cobertores, lençóis; materiais de construção, como chapas de zinco, pregos e barrotes.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui fez pelo menos 761 mortos, segundo os balanços oficiais mais recentes.

Em Moçambique, o número de mortos confirmados subiu hoje para 446, no Zimbabué foram contabilizadas 259 vítimas mortais e no Maláui as autoridades registaram 56 mortos.

O ministro da Terra e do Ambiente moçambicano, Celso Correia, sublinhou hoje que estes números ainda são provisórios, já que à medida que o nível da água vai descendo vão aparecendo mais corpos.

O número de pessoas afectadas em Moçambique subiu para 531 000 e há 109 000 entradas em centros de acolhimento, das quais 6 500 dizem respeito a pessoas vulneráveis – por exemplo, idosos e grávidas que recebem assistência particular.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que está a preparar-se para enfrentar prováveis surtos de cólera e outras doenças infecciosas, bem como de sarampo, em extensas zonas do sudeste de África afectadas pelo ciclone Idai, em particular em Moçambique.

O ciclone afectou pelo menos 2,8 milhões de pessoas nos três países africanos e a área submersa em Moçambique é de cerca de 1 300 quilómetros quadrados, segundo estimativas de organizações internacionais.

A cidade da Beira, no centro litoral de Moçambique, foi uma das mais afectadas pelo ciclone, na noite de 14 de Março.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com