Coimbra  20 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Montemor-o-Velho: Centro Equestre fez obras após o Leslie mas espera pelos apoios

30 de Setembro 2020 Jornal Campeão: Montemor-o-Velho: Centro Equestre fez obras após o Leslie mas espera pelos apoios

O Centro Equestre de Montemor-o-Velho (CEMV) revelou hoje que gastou mais de 20 mil euros na recuperação de instalações destruídas em 2018 pela tempestade Leslie e lamentou não ter ainda recebido os apoios do Estado.

A presidente da Direcção, Elsa Monteiro Grillo, disse à agência Lusa que a associação sem fins lucrativos apresentou uma candidatura ao Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Coletiva, que foi aprovada, mas “quase dois anos depois” espera ainda ser ressarcida dos prejuízos.

A dirigente adiantou que o CEMV, fundado há 32 anos, formalizou um projecto de recuperação de equipamentos diversos destruídos pelo Leslie, em 13 de Outubro de 2018.

O projceto aprovado perfaz cerca de 39 mil euros, com 70% do investimento (mais de 27 mil euros) a ser assumido pelo Estado, neste caso através da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC).

“Nestes dois anos, com dinheiro nosso, trabalhámos para repor o que foi destruído pelo furação”, referiu.

A veterinária Elsa Monteiro Grillo lembrou que a ajuda financeira do Estado ao Centro Equestre de Montemor-o-Velho, tal como a outras entidades do país, “está contemplada” no Orçamento do Estado de 2020. “Estamos numa fase em que temos novos projectos, como a construção de um picadeiro coberto, queremos evoluir e não podemos”, lamentou.

Dentro de “alguns meses”, o CEMV tem de devolver à Câmara de Montemor-o-Velho vários pavilhões que a autarquia lhe cedeu a título provisório, ainda antes do Leslie, o que afectará o normal desenvolvimento das actividades, segundo a presidente.

Ângela Frota, presidente da Assembleia Geral do Centro Equestre, recordou à Lusa que a tempestade “provocou a destruição quase total” das instalações, incluindo a tribuna, “que ficou absolutamente inutilizada”.

“Em Agosto, surgiu a notícia de que estaria o Governo a ultimar os contratos para o apoio. Certo é que até hoje a CCDRC informa que não tem qualquer novidade quanto à data de concretização dos apoios aprovados pelo Estado”, disse a jurista.