Coimbra  14 de Novembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Miranda do Corvo não mexe no IMI e mantém taxa mínima para 2020

6 de Setembro 2019

O Município de Miranda do Corvo não vai mexer no Imposto Municipal de Imóveis para 2020, mantendo a taxa mínima para os prédios urbanos, de acordo com a proposta aprovada hoje.

Na sessão de Câmara, por proposta do presidente Miguel Baptista (PS), os residentes no concelho vão continuar a pagar a taxa mínima de 0,3 por cento para prédios urbanos e 0,8 por cento para os rústicos.

Vai vigorar também a componente familiar que permite baixar o imposto em 20 euros no caso de famílias com um dependente a cargo, 40 euros com dois dependentes e 70 euros para as famílias com três ou mais dependentes.

“Estamos no máximo dos máximos do apoio que podemos dar às famílias”, frisou o presidente da Câmara, Miguel Baptista.

O Município de Miranda do Corvo arrecadou em 2018 uma receita de 1,36 milhões de euros referentes a impostos directos, mais 143 772 euros (11,8 por cento) do que no ano anterior.

O valor da taxa de derrama (imposto municipal aplicado sobre o lucro tributável) às empresas do concelho para o próximo ano ficou adiada para uma próxima reunião, a pedido da oposição, depois de o presidente ter informado que, de acordo com a lei, o Município vai ter de cobrar 1,5 por cento às empresas com volume de negócios acima de 150 000 euros, por não ter ainda o regulamento que permite baixar a taxa.

“Esse regulamento vai demorar meses e meses a ser elaborado e não era possível tê-lo em tempo útil”, justificou o autarca, salientando que se trata de uma exigência da nova legislação das finanças locais.

Na sessão de hoje, a Câmara de Miranda do Corvo deliberou, também, aceitar as transferências na área da saúde para 2020, contrariamente a 2019, mediante um envelope financeiro de quase 130 000 euros anuais.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com