Coimbra  25 de Setembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Miranda do Corvo: ASAE controla qualidade das refeições escolares

19 de Setembro 2018 Jornal Campeão: Miranda do Corvo: ASAE controla qualidade das refeições escolares

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) vai assegurar o controlo de qualidade das refeições escolares no município de Miranda do Corvo, no âmbito de um protocolo de colaboração assinado hoje.

“O objectivo essencial é o de reforçar a confiança da comunidade educativa na segurança das refeições escolares”, disse o presidente da Câmara de Miranda do Corvo, Miguel Baptista, salientando que se trata de um projecto “muito positivo”.

Segundo o inspector-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar, esta colaboração insere-se “numa segunda fase, de maior maturidade em relação à qualidade”, do projecto “A ASAE vai à escola”, iniciado em 2014, para a disseminação de boas práticas e realização de acções preventivas.

“Estávamos na altura de dar um salto de melhoramento qualitativo e elevar os padrões de qualidade, sem termos de andar a levantar autos, depois de o sector operacional ter detectado algumas situações a nível nacional”, referiu o responsável.

De acordo com o inspector-geral, através da monitorização e verificação de amostras recolhidas aleatoriamente em todas as fases do fabrico das refeições, a ASAE vai tentar eliminar eventuais “fontes de problemas”.

Pedro Portugal Gaspar frisou que aquele organismo se mostra particularmente atento na confecção de refeições colectivas nas escolas, em lares de idosos e no ambiente hospitalar.

Miranda do Corvo torna-se no primeiro município a estabelecer este protocolo de controlo da qualidade alimentar das refeições escolares com a ASAE, que está aberta à adesão de outros concelhos.

“É um passo muito importante para a qualidade das refeições que estão a ser servidas no ensino pré-escolar e 1.º ciclo do ensino básico” reconhece o autarca Miguel Baptista.

O município disponibiliza diariamente 460 refeições, que no final do ano lectivo ultrapassam as 80 000. O protocolo tem a duração de um ano.