Coimbra  5 de Março de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Mira reforça combate à vespa asiática com destruição de 142 ninhos em 2023

28 de Dezembro 2023 Jornal Campeão: Mira reforça combate à vespa asiática com destruição de 142 ninhos em 2023

A Câmara Municipal de Mira destruiu 142 ninhos de vespa asiática ao longo deste ano, um aumento de 21 em comparação com o ano de 2022.

O presidente da Câmara Municipal de Mira, Artur Fresco, salientou que “em 2023 registou-se um aumento de ninhos eliminados, comparativamente com o ano anterior, o que demonstra, da nossa parte, uma crescente capacidade de intervenção, dando uma resposta célere aos pedidos dos munícipes neste âmbito.”

Os sapadores florestais desactivaram 161 ninhos de vespa asiática em 2021 e 121 em 2022. O serviço municipal de Protecção Civil, através da equipa de sapadores florestais, tem desempenhado um papel crucial no combate a esta espécie invasora, proporcionando uma resposta pronta e eficaz num curto espaço de tempo, devido ao risco que representa para a população.

Artur Fresco destaca o empenho e a assertividade dos serviços, afirmando que “temos conseguido dar a resposta pronta e apropriada, através da equipa de sapadores florestais, com um tempo médio de resposta, desde a notificação, até 48 horas, sendo que na sua maioria, os casos são resolvidos no próprio dia do avistamento, salvo ao fim-de-semana.”

Os ninhos têm sido localizados maioritariamente em árvores, embora também tenham sido identificados em edifícios de várias tipologias e no subsolo.

A autarquia destaca a importância da comunicação de identificação ou suspeita de existência de ninhos à Protecção Civil Municipal, através dos telefones 231 480 550 ou 916 601 234.

A vespa velutina, também conhecida como vespa asiática, é uma espécie invasora que representa uma ameaça para as colmeias de abelhas melíferas e pode constituir perigo para a saúde pública. Esta espécie predadora foi introduzida na Europa em 2004, através do porto de Bordéus, em França, e os primeiros indícios da sua presença em Portugal surgiram em 2011. A situação agravou-se a partir do final de 2012.