Coimbra  16 de Julho de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Mira interpõe providência para acabar com descargas poluentes

1 de Março 2019

A Câmara de Mira vai interpor uma providência cautelar para impedir a empresa Águas do Centro Litoral (AdCL) de fazer descargas sem tratamento na estação elevatória das Cochadas, confirmou à agência Lusa o presidente do Município.

“Esgotaram-se os prazos e esgotou-se a nossa paciência”, refere Raul Almeida, lembrando que o Governo ficou de apresentar uma solução para as sucessivas descargas poluentes feitas através da estação elevatória das Cochadas, apontadas como o principal foco de contaminação de águas e terrenos agrícolas.

A estação pertence ao sistema gerido pela AdCL e fica situada no limite da Tocha (concelho de Cantanhede), numa zona de fronteira com Mira, o município que é o mais afectado pelas sucessivas descargas poluentes.

O autarca lembra que o secretário de Estado do Ambiente assumiu por duas vezes, em nome do Governo, em Junho e Dezembro de 2018, “o compromisso de apresentar uma solução para o problema até Janeiro de 2019”.

Mais tarde, refere Raul Almeida, a Câmara de Mira teve conhecimento de que o Governo garantiu, em resposta ao Grupo Parlamentar “Os Verdes”, que apresentaria uma solução para o problema até ao final do mês de Fevereiro.

“Os prazos esgotaram-se sem haver uma solução. Por isso, vamos avançar com a providência em co-autoria com a Junta de Freguesia de Mira, decisão que foi aprovada por unanimidade pela Assembleia Municipal”, relata o autarca.

Uma das empresas mais afectadas pelas sucessivas descargas poluentes é a Moinhos do Arraial, situada em Casal de São Tomé (Mira). O proprietário da empresa de cultivo de agrião, Rogério Guímaro, tem acusado repetidamente a AdCL de efectuar descargas na Vala Real “através de um tubo de grandes dimensões”, a montante da sua exploração agrícola.

Diversos partidos com assento parlamentar fizeram recomendações ao Governo para que resolva a situação. Depois de ter visitado o local, em Junho de 2018, o secretário de Estado apresentou aos autarcas de Mira uma proposta que recupera a solução inicial, que passa pela construção, nas Cochadas, de uma nova Estação de Tratamento de Águas Residuais, sendo depois os efluentes encaminhados através de Mira e Vagos.

Esta solução desagrada, no entanto, aos autarcas de Mira, que temem que as descargas poluentes continuem devido ao sub-dimensionamento do sistema hídrico do concelho, que não está preparado para receber os efluentes do vizinho do sul.

“Face às propostas apresentadas, houve total unanimidade entre os autarcas de todos os quadrantes políticos, deixando bem claro ao senhor secretário Estado que Mira não aceitará nenhuma solução que não passe pelo tratamento e rejeição dos efluentes de Cantanhede no próprio concelho de Cantanhede, não utilizando, em nenhum caso, o sistema hídrico de Mira”, avisou, na altura, Raul Almeida.

Mira propõe ao Governo, em alternativa, duas soluções. A primeira passa pela construção de uma ETAR na zona da Vala de Levadios, praia da Tocha, com rejeição de efluentes tratados no mar. A segunda projecta um “bypass” entre Cantanhede e Aveiro, com um novo sistema que atravesse a mancha florestal, longe dos centros urbanos e explorações agrícolas, e que esteja dimensionado para encaminhar em segurança a totalidade dos efluentes do concelho gandarês.

A AdCL é participada pela Águas de Portugal, SGPS, S.A. e pelos municípios de Águeda, Albergaria-a-Velha, Ansião, Arganil, Aveiro, Batalha, Cantanhede, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Espinho, Estarreja, Góis, Ílhavo, Leiria, Lousã, Marinha Grande, Mealhada, Mira, Miranda do Corvo, Murtosa, Oliveira do Bairro, Ourém, Ovar, Penacova, Penela, Porto de Mós, Santa Maria da Feira, Vagos e Vila Nova de Poiares.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com