Coimbra  23 de Setembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ministério Público arquiva denúncias anónimas contra Câmara de Anadia

1 de Junho 2020 Jornal Campeão: Ministério Público arquiva denúncias anónimas contra Câmara de Anadia

A Câmara de Anadia anunciou, hoje, que o Ministério Público arquivou as denúncias anónimas de alegadas irregularidades imputadas a membros do executivo municipal em 2017, por “não existirem indícios da prática de quaisquer ilícitos criminais”.

Teresa Cardoso, presidente da Câmara reeleita em 2017, adiantou, que as denúncias “começaram por ser anónimas, mas depois veio a verificar-se que o autor das mesmas era o actual vereador do PSD e ex-presidente da Câmara, Litério Marques”.

As alegadas irregularidades eram imputadas a vários elementos do Município, nomeadamente à presidente da Câmara Municipal, ao vice-presidente, alguns chefes de divisão e outros funcionários, relativamente a contratos de empreitadas, Feira da Vinha e do Vinho, entre outras matérias.

O Ministério Público e a Polícia Judiciária desencadearam em 2017 uma investigação que durou cerca de dois anos, tendo ocorrido mesmo uma busca no edifício dos Paços do Concelho. No dia 30 de Março de 2020, as denúncias foram finalmente arquivadas por “falta de quaisquer indícios”.

Teresa Cardoso lamenta “que o Município tenha sido, reiteradamente, exposto a este tipo de denúncias e calúnias, assegurando que o executivo municipal vai continuar a traçar o seu caminho, como tem feito até aqui, com total transparência e de forma rigorosa”.

A luta política entre Litério Marques e Teresa Cardoso surgiu na sequência das autárquicas de 2013, quando o ex-presidente encabeçou uma lista de ruptura com o PSD local, partido pelo qual tinha sido eleito repetidamente, acabando por ser expulso.

Nesse ano, Litério promoveu uma lista independente, encabeçada por Teresa Cardoso, reservando para si apenas o cargo de vice-presidente, por ter atingido o limite de mandatos.

No início de 2017, Teresa Cardoso acusou de falta de lealdade política o vereador Litério Marques, retirando-lhe por despacho o regime de permanência e respectivas funções, de que gozava desde 2013.

Dias antes, Litério Marques tinha sido escolhido pelo mesmo PSD que o tinha expulsado para ser candidato à presidência da Câmara de Anadia, cargo que ocupou durante quatro mandatos.

Durante a campanha autárquica desse ano, surgiram diversas denúncias anónimas sobre irregularidades na actividade da Câmara, que acabaram agora arquivadas.

Litério Marques acabou derrotado nas urnas pelo mesmo movimento independente que tinha criado no momento de ruptura com o PSD.