Coimbra  26 de Janeiro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Metade dos hospitais EPE em falência técnica e o CHUC é um deles

5 de Dezembro 2019

Metade dos hospitais EPE estavam no ano passado em falência técnica, segundo uma análise do Conselho das Finanças Públicas hoje divulgada, sendo um deles o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

Dos 40 hospitais EPE (entidade pública empresarial) do Serviço Nacional de Saúde, 20 apresentavam em 2018 um património líquido previsional que corresponde a situações de falência técnica, em que o valor do passivo é superior ao do activo.

O número de unidades com património líquido negativo atingiu em 2013 os 54 por cento, com 21 hospitais. Até 2015, o número de entidades nessa situação diminuiu, mas em 2016 e em 2017 voltou a aumentar.

Em relação a 2017, no ano passado apenas houve menos um hospital em situação de património líquido negativo.

“Apesar dos aumentos previsionais de capital estatutário (…), constata-se que há um número significativo de entidades que apresentam balanço previsional com património líquido negativo”, refere o documento do Conselho das Finanças Públicas (CFP).

O aumento de capital estatutário é uma injecção de dinheiro do Estado nos hospitais, que tem sido um mecanismo usado com frequência.

Entre 2013 e 2018, há um conjunto de 11 hospitais que apresentaram sempre um património líquido negativo, enquanto em 15 foi sempre positivo.

A análise do CFP foi hoje divulgada num documento sobre a contratualização com as empresas públicas que prestam cuidados de saúde.

O CHUC só em 2015 é que não apresentou um património líquido negativo, situação que aconteceu em 2013, 2014, 2016, 2017 e 2018.

Pela positiva estão o Hospital Distrital da Figueira da Foz e o Instituto Português de Oncologia de Coimbra, o Centro Hospitalar Tondela-Viseu e o Centro Hospitalar de Leiria.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com