Coimbra  20 de Setembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Médicos lamentam falta de respostas por agressões aos profissionais

25 de Janeiro 2020 Jornal Campeão: Médicos lamentam falta de respostas por agressões aos profissionais

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) lamentou a ausência de respostas concretas por parte do Ministério da Saúde perante o aumento da violência contra os profissionais de Saúde.

A tomada de posição surge depois de uma médica ter sido agredida, na passada quinta-feira (23), numa consulta no Serviço de Urgência do Hospital de Águeda.

Condenando a agressão, o presidente da SRCOM, Carlos Cortes, afirmou que estas situações “estão a tomar proporções descontroladas”.

“Urge uma resposta rápida, eficaz e eficiente perante o agravamento deste problema que afecta, cada vez em maior número e gravidade, os profissionais de saúde”, declarou o responsável.

Carlos Cortes considera que a mensagem do Ministério da Saúde tem sido “complacente e permissiva”, defendendo que “é preciso agir, rapidamente, antes que surja alguma situação de especial complexidade e com consequências trágicas”.

“O Ministério da Saúde tem de dialogar com as organizações profissionais perante o agravamento dos casos de violência. Até agora, temos assistido à intenção de criar medidas fantasiosas. Não é possível continuar a assistir a esta inação da tutela, perante as queixas de injúrias, ameaças, discriminação e violência física”, vincou.

O presidente do SRCOM refere que já solicitou uma reunião, com carácter de urgência, junto dos responsáveis da Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro.

“O Ministério da Saúde está a mostrar desorientação total e incapacidade para proteger e dar segurança aos seus profissionais”, critica Carlos Cortes, sustentando que são necessárias medidas que visem proteger os profissionais de saúde para as situações de violência.

O médico garante, ainda, estar a acompanhar a situação ocorrida no Hospital de Águeda, através do seu Gabinete de Apoio ao Médico, e a “delinear a intervenção necessária” junto da colega alvo de agressões.

A notícia chegou ao público através do “Jornal de Notícias” de que uma médica de 33 anos tinha sido agredida na noite de quinta-feira, na Urgência do Hospital de Águeda, por uma mulher que acompanhava o filho a uma consulta.

Na origem da discussão terá estado a insatisfação da agressora relativamente a uma série de questões levantadas durante a consulta relativamente à doença do filho.

“Ao aperceber-se da agressividade verbal da mulher, a médica dirigiu-se para a saída do consultório e foi nessa altura que foi agredida a murro. Ao defender a cabeça, a vítima foi atingida na mão, fracturando um osso da mão”, refere o JN.

Os responsáveis do hospital chamaram a GNR, que identificou a agressora.