Coimbra  15 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Médicos denunciam “aviltante” situação na Psiquiatria do CHUC

8 de Julho 2019

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) condenou, hoje, a “aviltante” realidade imposta aos doentes face à falta de vagas para internamento de agudos no Centro de Responsabilidade Integrada de Psiquiatria do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

Segundo os relatos que chegaram à Ordem dos Médicos, “há, inclusivamente, doentes com critérios para internamento compulsivo e que permanecem vários dias no Serviço de Urgência, tornando-se caótica a situação para utentes e profissionais de saúde”.

“Durante a espera, os doentes passam, dias a fio, com dificuldades em satisfazer as suas necessidades básicas de higiene e alimentação, já que não existem condições para os internar. A título de exemplo, apenas comem bolachas, sopa e leite ou sumos, segundo refere o abaixo-assinado de perto de 40 médicos do serviço” – dá conta a SRCOM.

“A cada dia que passa, os doentes ficam mais vulneráveis e tendem a desenvolver complicações orgânicas com infecções hospitalares”, alerta a SRCOM, adiantando que, face à gravidade da situação, a maioria do corpo clínico do serviço de Psiquiatria já enviou um documento ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra enunciando as carências e as deficiências.

“Nestas condições, estão ultrapassados todos os limites definidos quer pelas normas do serviço quer pelas ‘leges artis’ que deveriam ser aplicadas ao doente psiquiátrico e a Ordem dos Médicos continua a pugnar pela qualidade da prestação dos cuidados de saúde e considera inaceitável a falta da vagas para internamento de doentes agudos de Psiquiatria, porque está em causa a dignidade na assistência destes doentes”, declara o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.

Carlos Cortes explica a situação difícil: “A diminuição progressiva do número de camas disponíveis durante os últimos anos atingiu o seu pico no final de 2018 aquando do encerramento da Psiquiatria Mulheres, nos designados Blocos de Celas, por danos ocorridos aquando da tempestade ‘Leslie’. Parte das vagas encerradas foram deslocadas para o Internamento Masculino dos Hospitais da Universidade de Coimbra (no rés-do-chão do Bloco Central) e para o Pavilhão 02 do Hospital Sobral Cid (no 1.º andar, sem elevador), com sobrelotação desses espaços. Desde então, face à carência por vezes grave de camas, há doentes com patologia psiquiátrica que, por permanecerem há demasiado tempo no Serviço de Urgência, são internados noutras enfermarias, sem os devidos cuidados especializados”.

Assume o presidente da SRCOM: “Este é um grito de alerta para uma realidade desumana pois resulta em graves consequências para os doentes. O CHUC tinha um centro de referência nacional na área da psiquiatria que está a ser gradualmente destruído. O Conselho de Administração deveria valorizar a excelência do trabalho realizado pelos profissionais na área da saúde mental e não estar a pôr em causa a própria dignidade dos doentes”.

“A ministra da Saúde não pode pactuar com esta grave falta de acesso a cuidados de saúde e a sua gradual desumanização, sendo urgente devolver vagas de internamento de agudos, pelo menos, em número igual ao existente em 2018 e reverter o grave retrocesso de que é alvo o Serviço de Psiquiatria”, exorta Carlos Cortes.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com