Coimbra  20 de Setembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Mealhada declara concordância da Linha do Norte e Beira Alta interesse municipal

5 de Setembro 2020 Jornal Campeão: Mealhada declara concordância da Linha do Norte e Beira Alta interesse municipal

O Executivo municipal aprovou, por maioria, a manutenção da decisão de emitir a declaração de interesse Municipal sobre o projecto da Concordância da Linha do Norte com a Linha da Beira Alta, solicitada pela Infraestruturas de Portugal (IP).

Rui Marqueiro, presidente da Câmara Municipal da Mealhada, explicou que o projecto de modernização da linha vai avançar e que a não emissão da declaração por parte da Câmara da Mealhada apenas faria com que a intervenção no concelho da Mealhada fosse mais tardia e após ser ultrapassada, legalmente, esta questão.

O projecto desenvolve-se em cerca de 3,3 quilómetros entre o quilómetro 53+990 da Linha da  Beira Alta e o quilómetro 235+312 da linha do Norte, no concelho da Mealhada (União das Freguesias de Mealhada, Ventosa do Bairro e Antes e freguesias da Vacariça e da Pampilhosa) e insere-se no conjunto de acções necessárias à modernização da Linha da Beira Alta entre a Pampilhosa e Vilar Formoso e à sua integração no denominado Corredor Internacional Norte, previsto no Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas 2014 – 2020 (PETI 3+).

“Ambos reconhecemos o interesse nacional do projecto e eu acredito que se, no futuro, avaliarmos o impacto no interesse municipal, este será positivo”, afirmou o presidente da Câmara em resposta aos vereadores do PSD, eleitos pela coligação Juntos pelo Concelho da Mealhada, que pretendiam ver esta decisão revogada.

Rui Marqueiro adiantou ainda que, recentemente, recebeu garantias de que a intervenção na estação da Pampilhosa será iniciada já em 2021, em termos de projecto, estando a execução prevista para 2022 e 2023.

O autarca recebeu, ontem, alguns munícipes cujos terrenos serão afectados pelo traçado desenhado pela IP e disponibilizou-se para os acompanhar a uma reunião em Lisboa, para que todos possam colocar os seus casos particulares.

A proposta de emissão da declaração de interesse municipal sobre o projecto da Concordância da Linha do Norte com a Linha da Beira Alta vai agora a votação da Assembleia Municipal.

 

Populares não querem que obra avance

 

Perto de três dezenas de populares ladearam a comissão popular que se dirigiu ao presidente da Câmara Municipal da Mealhada para apresentar as conclusões de duas Assembleias Populares que ocorreram no Travasso e na Pampilhosa a propósito da obra da nova linha de comboio, que ligará as Linhas do Norte e da Beira Alta.

Nas duas Assembleias, a população apresentou o seu desconhecimento da solução proposta pela Infraestruturas de Portugal e afirma ter recebido com surpresa total a notícia do avanço da obra, principalmente depois desta empresa “em 27 de Julho de 2017, ter prometido publicamente, na Pampilhosa, que quando existissem apresentariam as soluções à população para a sua apreciação”.

O representante que assumiu as declarações do grupo, Sílvio Pleno, um pampilhosense residente no Travasso há mais de 40 anos, garante que “há pelo menos três famílias a começar a construção da sua casa junto à futura linha, mas nem neste caso o Município avisou os interessados. São famílias que escolheram a localização pela tranquilidade”.

Este grupo que se apresenta como representante das Assembleias Populares, “que não se realizavam no concelho desde 1976”, quer que a população seja ouvida e respeitada pela Infraestruturas de Portugal e pelo Município, que acusam de ter tratado o processo “às escondidas da população, sem discussão pública e sem avaliação de impacto ambiental”.

Para além das críticas directas são portadores da voz dos cerca de 80 proprietários e interessados, que se apresentaram nestas duas Assembleias Populares.

Reclamam contrapartidas para as pessoas do Travasso e da Pampilhosa, como a “preservação do aquífero do Travasso, isenção de IMI, alteração do PDM para novas construções habitacionais em zonas tranquilas e com infraestruturas de água, gás, saneamento e electricidade, requalificação imediata da Estação da Pampilhosa, construção de novos atravessamentos pedonais e rodoviários da linha do Norte na Pampilhosa e viabilização do Núcleo Museológico com a Locomotiva BA61 como foco”.

Consideram que “ainda há tempo para o diálogo” e que “a população não aceita que destruam os seus modos de vida e os das futuras gerações”.

No fim da audiência com o edil, os três elementos populares recebidos, afirmaram voltar “de mãos a abanar, sem mais informações e com a convicção de que o presidente desistiu de lutar mesmo antes de começar a negociar com a Infraestruturas de Portugal”. Da reunião resultou “o compromisso do presidente da Câmara vir a solicitar uma reunião à Infraestruturas de Portugal em que possam estar presentes alguns representantes da população.”