Coimbra  26 de Janeiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Mau tempo: Figueira da Foz e Mira tomam medidas por causa da agitação marítima

4 de Dezembro 2020 Jornal Campeão: Mau tempo: Figueira da Foz e Mira tomam medidas por causa da agitação marítima

Os municípios da Figueira da Foz e de Mira tomaram algumas precauções para minimizar o impacto da agitação marítima forte prevista para hoje e sábado, mas só limitarão a circulação de pessoas e viaturas caso se justifique.

O presidente da Câmara da Figueira da Foz, Carlos Monteiro, disse à agência Lusa que os serviços da Protecção Civil Municipal “já posicionaram hoje os gradeamentos” nos locais do concelho onde se verificam habitualmente problemas com o avanço das águas do mar, designadamente na zona de Buarcos.

As grades de ferro “estão posicionadas” nos pontos da costa “onde mais tem ocorrido o galgamento” das ondas nos últimos anos, para que sejam utilizadas “se for necessário fechar a passagem” de veículos e transeuntes, adiantou o autarca deste Município do litoral.

“Estamos preparados para o que possa acontecer”, afirmou Carlos Monteiro, realçando que a autarquia dispõe do corpo de Bombeiros Sapadores “para qualquer intervenção” que se revele necessária face à evolução do mau tempo e da agitação do mar.

Devido à previsão de agitação marítima forte na sequência da depressão Dora em Portugal, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Setúbal, Beja e Faro, bem como o norte da Madeira e o Porto Santo, sob aviso laranja entre as 00h00 de hoje e as 17h00 de sábado.

Ainda no distrito de Coimbra, a Câmara de Mira tomou igualmente algumas medidas de prevenção. Habitualmente, o Bairro Norte, na Praia de Mira, “é a zona mais problemática” sempre que o mar está agitado, disse à Lusa o presidente da Câmara de Mira, Raul Almeida.

A partir da noite de hoje, “a Protecção Civil está em alerta” e vai monitorizar a situação, com especial atenção “aos sítios mais sensíveis”, referiu Raul Almeida.

Tal como acontece no vizinho concelho da Figueira da Foz, a sul, também no de Mira a autarquia tem identificados os locais onde o impacto da agitação do mar é mais forte, optando por posicionar antecipadamente os gradeamentos, que serão utilizados se razões de segurança a isso obrigarem.