Coimbra  30 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Manifestação em Coimbra: Covões não pode ser a despensa do CHUC

14 de Setembro 2020 Jornal Campeão: Manifestação em Coimbra: Covões não pode ser a despensa do CHUC

O presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos declarou, hoje, na manifestação em defesa dos Covões, que este hospital “não pode ser a despensa”do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

Carlos Cortes, que falava na Praça da Canção, onde se reuniram cerca de meio milhar de pessoas na iniciativa “Pela Saúde em Coimbra e na Região Centro”, endereçou, ironicamente, “cumprimentos aos irresponsáveis que destruíram décadas do prestígio da cidade”, aos “inconscientes que diminuíram a capacidade de resposta” e aos “insensíveis que olham mais para os números do que para os doentes”.

O dirigente do médicos criticou, igualmente, aqueles que “são subservientes perante o poder político, concordando que um hospital central só pode haver em Lisboa e no Porto e Coimbra tem de se contentar com um Distrital para servir as populações”.

Nos discursos antes de a manifestação rumar à Praça 8 de Maio, a cardiologista Ana Botelho disse que os profissionais não querem os Covões como “uma clínica de 2.ª categoria” e estão “fartos” do transporte de doentes para os Hospitais da Universidade.

Na concentração foi aprovado um documento, entregue em mão na Câmara de Coimbra e a enviar para o Ministério da Saúde, a ARS do Centro, o Conselho de Administração do CHUC, onde se pede a apresentação do Plano Funcional do Hospital dos Covoes.

Para além da um Serviço de Urgências Polivalente, 24 horas por dia e sete dias por semana, pede-se que os Covões seja “um Hospital diferenciado, integrando Serviços Clínicos funcionais de apoio em conjunto com os HUC aos restantes hospitais e Centros de Saúde da região Centro”.

“Acolhemos com agrado a construção da nova Maternidade de Coimbra nos terrenos da Quinta dos Vales”, refere o documento, recomendando à ministra da Saúde e a todas as entidades e partidos políticos que “pautem o seu comportamento e conduta em defesa das reais necessidades de acesso às condições de saúde dos cidadãos da região Centro e da cidade de Coimbra”.