Coimbra  19 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Liga de Futebol anuncia em Coimbra três fases para regresso do público aos estádios

1 de Outubro 2020 Jornal Campeão: Liga de Futebol anuncia em Coimbra três fases para regresso do público aos estádios

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) delineou um plano de três fases para o regresso do público aos estádios, que tem início no sábado com o jogo da I Liga entre Santa Clara e Gil Vicente.

A directora executiva da LPF, Sónia Carneiro, disse hoje, numa conferência de Imprensa no Estádio Cidade de Coimbra, que o plano, sujeito à evolução da pandemia da covid-19, envolve vários testes pilotos, distribuídos por três fases, num processo “que se quer evolutivo”.

A primeira fase, que tem início já no próximo sábado com o jogo Santa Clara-Gil Vicente, com a possibilidade de registar uma assistência de 1 000 pessoas, num estádio com capacidade para 10 mil espectadores.

Numa segunda fase, a LPFP pretende uma assistência máxima de 2 500 pessoas, sem ocupar 20% da capacidade do estádio e, numa terceira fase, 5 000 pessoas sem ultrapassar uma ocupação de 30% do estádio.

“Depois destes testes piloto, o objectivo é conseguirmos a ocupação, de pelo menos, 30% das bancadas de todos os estádios”, salientou Sónia Carneiro.

Segundo Sónia Carneiro, os testes pilotos vão permitir à LPFP concluir, em termos de público dos clubes, a forma como chegam aos estádios e os circuitos de acesso e a sinalética que é necessário implementar.

“Sentimos que podemos fazer estes testes e que, seguramente, os faremos com sucesso, porque falamos repetidamente com colegas de outras Ligas que já as experimentaram e conseguiram mostrar um comportamento adequado do público”, frisou.

Presente na conferência de Imprensa, o pneumologista Filipe Froes, coordenador do gabinete de crise da covid-19 da Ordem dos Médicos e consultor da LPFP, salientou: “Se queremos dar exemplos de cidadania e responsabilidade individual e colectiva termos de dar essa oportunidade dos adeptos o poderem demonstrar”.

Para o médico, a presença de público nos estádios é um “teste à cidadania, responsabilidade individual e colectiva” no combate à pandemia da covid-19, em que todos têm “responsabilidade perante os outros”.