Coimbra  12 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Laboratório de Oliveira do Hospital formaliza cooperação com Brasil e África

27 de Abril 2021 Jornal Campeão: Laboratório de Oliveira do Hospital formaliza cooperação com Brasil e África

O CECOLAB, Laboratório Colaborativo para a Economia Circular, formalizou nos passados dias 20 e 21 de Abril, em Oliveira do Hospital, uma cooperação internacional com a Brazilian Circular Economy Innovation Centre e a African Circular Economy (ACEN), resultado dos trabalhos ocorridos durante a conferência “Europe: a Knowledge & Science Bridge Towards a Global Circular Economy”. O evento, integrado no programa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, contou com a participação de mais de 400 pessoas/entidades de 22 países da Europa, África, Ásia, América Latina e América do Norte. O CECOLAB pretende, assim, apoiar a construção para o desenvolvimento de uma agenda internacional de cooperação de conhecimento e ciência em Economia Circular.

Esta cooperação terá como principais áreas de trabalho: i) Recursos naturais e bioeconomia; ii) Geração jovem e educação; iii) Aspectos sociais e geração de emprego.

O CECOLAB é um laboratório colaborativo sedeado em Oliveira do Hospital, inserido no programa nacional do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, denominado por COLAB.

Os fundos de investimento actuais na área da economia circular e para as economias verdes, como por exemplo da Fundação Bill e Melinda Gates de mil milhões de euros para as alterações climáticas e do KRR, no valor de mil e 300 milhões de euros orientado para as alterações climáticas, água e gestão de resíduos, foram apresentados e analisados durante o evento.

Numa análise aprofundada por José Epifânio da Franca (IST e ex-presidente e CEO da Portugal Ventures), David Fitzsimons (presidente do Conselho Europeu da Indústria da Manufactura) e por Henrique Vale (director do FINEP), a fase crítica do processo de financiamento de tecnologias, que nascem na ciência e conhecimento até à chegada ao mercado, é a fase considerada de “midle pyramid”. Ou seja, a fase de demonstração de tecnologia, anterior à fase de início de vendas para o mercado. Por exemplo, o FINEP é um programa de financiamento desde a investigação fundamental até a preparação do produto/serviço para o mercado, com o objectivo de promover o desenvolvimento económico e social do Brasil por meio do estímulo público à Ciência, Tecnologia e Inovação em empresas, universidades, institutos tecnológicos e outras instituições públicas ou privadas. Por exemplo, em 2020, este fundo executou 360 milhões de euros e apoiou 389 projectos.

Nas considerações finais da conferência, o comité científico, Prof. Paulo Ferrão (IST) – em representação de Portugal, e Beatriz Luz – em representação do Brasil e numa vertente de representação internacional, reforçaram a necessidade e importância de aumentar a cooperação científica e de conhecimento internacional entre a Europa e outras regiões económicas, como por exemplo, a América Latina e África.

A participação e intervenção das Nações Unidas deixou de forma clara e evidente que a gestão global dos recursos naturais é uma prioridade, onde na vertente de África e América Latina, a Bioeconomia Circular representa a transição para uma economia eficiente em termos de recursos, mais limpa e circular, sendo cada vez mais reconhecida como uma obrigação para combater as crises ecológicas que o mundo enfrenta. A economia circular oferece oportunidades para estimular a inovação e tornar a transição mais justa, criando empregos verdes e reduzindo os impactos ambientais.

A formalização da cooperação foi alcançada no final do evento e anunciada por João Nunes (presidente do CECOLAB) e pela Prof. Ana Abrunhosa (ministra da Coesão Territorial).

João Nunes refere que “a covid-19 é um problema global e extremamente complexo que veio demonstrar a necessidade urgente de se aumentar a cooperação global e que o conhecimento e a ciência devem ser uma das prioridades de aposta de qualquer país e região.”