Coimbra  6 de Julho de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

IPC: Presidente do ISEC também lamenta contratação externa

6 de Janeiro 2017 Jornal Campeão: IPC: Presidente do ISEC também lamenta contratação externa

O presidente do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra juntou-se, hoje, aos congéneres da ESTeSC e da ESAC ao insurgir-se contra contratação externa por parte do Instituto Politécnico (IPC).

O Politécnico contratou, recentemente, uma empresa privada para assegurar controlo alimentar nos Serviços de Acção Social, mas a Escola Superior de Tecnologia da Saúde e a Escola Superior Agrária (pertencentes ao IPC) disponibilizaram-se para o efeito.

O serviço foi adjudicado à CBL – Qualidade, Ambiente e Segurança, mediante pagamento de 7 279 euros em 2016 e de 14 558 em 2017.

“O IPC deve aproveitar todos os recursos próprios de que dispõe, sejam eles investigadores, docentes, não docentes ou serviços”, declarou ao “Campeão” o timoneiro do ISEC.

Para Jorge Barbosa, “adicionalmente, a ser estritamente necessário esta ou outra qualquer contratação, por uma questão de transparência institucional”, ela devia ser sempre objecto de um concurso público com consulta a várias entidades, “eliminando qualquer suspeita sobre os motivos inerentes a(s) empresa(s) alvo(s) de eleição”.

“Parece-me que um processo desta natureza poderá parecer (ao público em geral) muito desprestigiante para a imagem do IPC, pois, aparentemente, não se ponderou as opções internas de contratação de serviços, que já demonstraram a sua capacidade e competência em situações análogas”, opina o presidente do ISEC.

Segundo Jorge Barbosa, “perante situações destas, podem aparecer dúvidas sobre a qualidade do que o IPC oferecer, o que é totalmente errado, porquanto se trata de qualidade sobejamente conhecida e reconhecida”.

Interpelado pelo “Campeão”, Rui Antunes, presidente cessante do Politécnico, garantiu que no processo de contratação da CBL, de Ana Paula de Curvelo e Baeta Lopes, “não houve participação ou interferência” do administrador do Instituto, Manuel Filipe Reis.