Coimbra  17 de Agosto de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

IP3: Entregue petição que reivindica melhoria entre Coimbra e Viseu

6 de Abril 2018

A Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 entregou, hoje, uma petição na Assembleia da República, com mais de 7 000 assinaturas, reivindicando “a melhoria e alargamento” da via, entre Coimbra e Viseu, sem introdução de portagens.

O facto de em “cerca de dois meses” a petição ‘Melhoria e alargamento do IP3 sem portagens – Pela segurança, acessibilidade e desenvolvimento’ ter sido subscrita por aquela quantidade de pessoas constitui a “demonstração inequívoca da vontade das populações e utilizadores pela melhoria” desta estrada, que é uma “via estruturante”, sustenta a associação.

Lançada pela associação de utentes do IP3, a petição foi entregue nos serviços administrativos da Assembleia da República (“dificuldades de agenda do presidente” deste órgão impediram que o documento fosse directamente entregue a Eduardo Ferro Rodrigues), hoje de manhã, disse à agência Lusa Álvaro Miranda, da Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3, cujos representantes também foram recebidos por uma delegação do grupo parlamentar do PCP.

A petição reclama, designadamente, a “reparação urgente do piso” da via, a “estabilização dos taludes”, a “correcção dos graves problemas de segurança”, a “instalação de separador central” no lanço onde ainda não existe e a “manutenção do IP3 ao serviço da economia e das populações”.

“Defendemos que todo o trajecto entre Coimbra e Viseu tenha via dupla em toda a sua extensão” (perto de 80 quilómetros) e que sejam suprimidos os cruzamentos de nível, mas sem a introdução de qualquer portagem, sublinhou à agência Lusa Álvaro Miranda, destacando que no troço da via entre Trouxemil, no concelho de Coimbra, e o nó de acesso ao IC6 (Penacova) circulam “entre 18 000 e 20 000 veículos por dia, grande parte dos quais pesados”.

Mais importante ainda é o facto de este itinerário principal (IP) registar elevados índices de sinistralidade, realça Álvaro Miranda, referindo que entre 1991 e 2017 ocorreram mais de 1 800 acidentes no lanço entre a zona do Botão (Coimbra) e Oliveira do Mondego (Penacova), com cerca de 20 quilómetros, que provocaram um total de 123 mortos e 1 836 feridos.

Sobre a construção de uma autoestrada entre Coimbra e Viseu, como tem vindo a ser reivindicado designadamente por alguns municípios da região, mesmo que sujeita a portagens, a Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 nada tem a opor, desde que essa via “não comprometa o IP3” e que este itinerário seja reabilitado, duplicado nas vias e não sujeito a portagens.

A associação de utentes, que está sediada em Oliveira do Mondego (Penacova), vai, entretanto, continuar a recolher subscritores da petição, para adicionar ao documento que entregou hoje na Assembleia da República, dada “a urgência de várias das intervenções a realizar neste itinerário principal e uma vez foi ultrapassado o número mínimo de quatro mil assinaturas para obrigar à discussão da petição”, disse Álvaro Miranda.

Mas, entretanto, é “obrigação urgente do Governo, da Infraestruturas de Portugal, do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas resolver este grave problema, salvando vidas, apoiando a economia do país e o desenvolvimento desta vasta região, elevando simultaneamente a qualidade de vida de todos os que têm necessidade de circular por esta rodovia”, conclui o dirigente da associação de utentes do IP3.

O Itinerário Principal (IP) 3, que liga a fronteira de Vila Verde da Raia, no concelho de Chaves, à Figueira da Foz, atravessando territórios dos distritos de Vila Real, de Viseu e de Coimbra, possui uma extensão de 279 quilómetros, dos quais 202 quilómetros em perfil de autoestrada, sendo os restantes 77 quilómetros (correspondentes à ligação entre Coimbra e Viseu) em perfil de via rápida.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com