Coimbra  28 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Infraestruturas de Portugal restabelece circulação no IP3 até dia 20

10 de Janeiro 2020 Jornal Campeão: Infraestruturas de Portugal restabelece circulação no IP3 até dia 20

A Infraestruturas de Portugal (IP) pretende restabelecer até ao dia 20 a circulação automóvel no Itinerário Principal (IP) 3, que está cortado no sentido Coimbra-Viseu, em Penacova, devido ao deslizamento de terras.

“Consciente das perturbações que esta situação implica, a IP tem em curso a implementação de uma solução que permite o restabelecimento da circulação automóvel nos dois sentidos, até ao dia 20 de Janeiro, no âmbito da empreitada de requalificação do IP3 que se encontra em curso”, explica, em comunicado.

Segundo a IP, na sequência das intempéries de Dezembro de 2019, no dia 21 “ocorreu o deslizamento de taludes no IP3, na zona do nó de Penacova, lado direito no sentido Viseu–Coimbra, local onde ainda decorrem os trabalhos da empreitada de requalificação do IP3, entre Penacova e a foz do Dão”.

Esse deslizamento de terras “obrigou ao corte de tráfego no troço entre o nó de Penacova e o nó da Espinheira”, tendo sido criados percursos alternativos para a circulação automóvel.

“A IP iniciou de imediato os trabalhos de remoção de terras e, no final da manhã do dia 24 de Dezembro, procedeu à reabertura da circulação no sentido Viseu–Coimbra”, acrescenta.

No entanto, o sentido Coimbra–Viseu mantém-se cortado, o que motivou, ontem, a tomada de posição das comunidades intermunicipais de Viseu Dão Lafões e de Coimbra.

A IP refere que “compreende a perturbação criada com o deslize do talude, estando a desenvolver todos os esforços no sentido de repor as condições de circulação em segurança com a maior brevidade possível”.

Ontem, a Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões exigiu o restabelecimento urgente da circulação no IP3.

“Reclama-se, com absoluto carácter de urgência, o restabelecimento da circulação integral no IP3, mobilizando-se, para o efeito, todos os meios necessários para que isso ocorra de imediato”, disse o presidente da CIM, Rogério Abrantes.

Para os autarcas dos 14 concelhos que integram a CIM Viseu Dão Lafões, “é inadmissível que não se conheça o calendário existente para o restabelecimento, integral, da circulação rodoviária”.

Mais tarde, em comunicado, a CIM da Região de Coimbra anunciou que pediu uma reunião com “carácter de urgência” ao ministro das Infraestruturas, face à demora no restabelecimento da circulação do IP3.