Coimbra  16 de Outubro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

INATEL valoriza património organístico com ciclo de concertos

8 de Outubro 2019

Ana Gouveia, vice-presidente da Câmara de Miranda do Corvo; Bruno Paixão, director regional da Fundação Inatel; padre Pedro Miranda, vigário-geral; Pedro Cardoso, vice-presidente da Câmara de Cantanhede; e Paula Silva, representante do Município de Penacova

A Fundação INATEL, em parceria com alguns dos municípios do Centro e a Diocese de Coimbra, promove um ciclo de concertos de órgãos de tubo, ao longo do mês de Outubro, e em vários locais com órgãos de tubos na região.

Serão cinco os concertos a realizar, nos dias 12, 19, 20, 26 e 27 de Outubro, nos concelhos de Cantanhede, Miranda do Corvo, Montemor-o-Velho, Penacova e Coimbra.

O objectivo desta iniciativa é a de “valorização cultural com raízes profundas em Coimbra e na sua região, bem como criar a consciência do património organístico existente”, explicou Bruno Paixão, director regional do INATEL, sublinhando que “a nível nacional, a região Centro tem, porventura, a mais relevante concentração de órgãos históricos”. “Esta é apenas a ponta do iceberg cultural, uma vez que a maior parte permanece escondida”, adiantou o responsável, que frisou a existência de, pelo menos, 40 órgãos de tubo na região, em nove concelhos (16 em Coimbra; quatro em Penacova; um em Miranda do Corvo, Mira e Condeixa-a-Nova; quatro em Cantanhede, Montemor-o-Velho e Arganil; e cinco na Figueira da Foz), dos quais apenas cerca de 10 estão em pleno funcionamento. São eles os de: Tentúgal; Ançã; Lorvão; Semide; Covões; Seminário Maior de Coimbra; Igreja de Santa Cruz; Capela da Universidade de Coimbra, da Santa Casa da Misericórdia e da Sé de Coimbra.

Nesse sentido, considera Bruno Paixão, é preciso “honrar este legado e não deixar deteriorar o património existente, a maior parte dele do século XVIII e que é um instrumento que nos identifica enquanto cultura e como povo”. Trata-se de “uma riqueza, um património incomensurável”, realçou.

A protagonizar os concertos estarão notáveis organistas e músicos, como o caso de Paulo Bernardino, e em quase todos os espectáculos haverá momentos para visitas guiadas e degustações de produtos tradicionais daquele concelho.

Todos os concertos são de entrada livre e sem necessidade de inscrição prévia, apenas limitados ao espaço de cada igreja/capela.

O Vigário-geral padre Pedro Miranda salientou a importância deste ciclo, que é mais uma ajuda para “ressuscitar esta arte, uma vez que ela chegou a morrer”. Numa breve resenha histórica, o pároco notou que “durante muitas décadas deixaram de se construir órgãos em Portugal e só a partir do último quarto do século XX é que voltaram a surgir organeiros (formados fora do país), altura em que praticamente todos os órgãos de tubos em Portugal estavam mudos”. “A arte chegou a morrer e foi preciso reanimá-la”, sublinhou.

Pedro Cardoso, vice-presidente da Câmara de Cantanhede, congratulou o INATEL pela iniciativa, quer pela “valorização musical e enriquecimento da programação cultural da região”, como também pela alavanca que poderá ser “na recuperação deste património valiosíssimo”. O autarca deixou votou de que esta seja a primeira de muitas edições.

A iniciativa conta, ainda, com a colaboração da Direcção Regional de Cultura do Centro (DRCC) e da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC).

PROGRAMA

12 de Outubro (sábado) – Igreja de Ançã (Cantanhede)

21h00 – Concerto de Rute Martins (órgão) e Daniel Miguéis (Violino)

 

19 de Outubro (sábado) – Mosteiro de Semide (Miranda do Corvo)

20h15 – Visita guiada com degustação de produto regional (participação gratuita)

21h30 – Concerto com Paulo Bernardino (órgão)

 

20 de Outubro (domingo) – Igreja da Misericórdia de Tentúgal (Montemor-o-Velho)

16h00 – Visita guiada com degustação de pastel de Tentúgal (participação gratuita)

17h00 – Concerto com Rui Vilão (órgão)

 

26 de Outubro (sábado) – Mosteiro de Lorvão (Penacova)

17h00 – Visita guiada (custo de três euros)

18h00 – Recriação da cozedura da broa no forno comunitário, com degustação (gratuita)

19h30 – Jantar (opcional e com o custo de 10 euros)

21h00 – Concerto com João Santos (órgão)

 

27 de Outubro (domingo) – Igreja do Seminário Maior (Coimbra)

16h00 – Visita guiada (custo de três euros)

17h00 – Concerto com António Hipólito (órgão)

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com