Coimbra  5 de Dezembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

ICNF nega elevado número de aves mortas em redes na Figueira da Foz

23 de Abril 2021 Jornal Campeão: ICNF nega elevado número de aves mortas em redes na Figueira da Foz

O Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) nega que tenham morrido um elevado número de aves nas redes de aquacultura na Figueira da Foz, segundo resultados preliminares do programa de monitorização.

Em comunicado, o ICNF sustenta que, de acordo com os resultados preliminares do “Programa de monitorização de afectação de aves pelas redes utilizadas para protecção dos tanques de aquaculturas, relativo ao estuário do rio Mondego”, cujos resultados definitivos serão divulgados em Maio, “não foi registado nenhum episódio que envolvesse um elevado número de aves” mortas.

No entanto, o ICNF admite que os trabalhos de monitorização em curso, iniciados em Novembro de 2020, “permitiram confirmar a presença de aves mortas e feridas retidas nas redes de protecção dos tanques das explorações das aquaculturas”, notando que se trata de “um número não elevado”.

“Nem foi registada a morte de nenhuma ave pertencente a espécies com estatuto de conservação desfavorável definido no Livro Vermelhos dos Vertebrados de Portugal”, garante.

Questionado pela agência Lusa sobre o que significa um número “não elevado”, o ICNF respondeu que “de momento, não é possível detalhar mais os resultados obtidos”, acrescentando que conta poder divulgar em Maio “os resultados, agregados, obtidos durante o primeiro semestre da implementação do programa de monitorização”.

O ICNF frisa também que “apesar dos resultados serem ainda preliminares, é sabido que existe uma elevada possibilidade da mortalidade de aves, causadas pelos dispositivos utilizados para protecção dos tanques” das aquaculturas.

O Instituto explica que esse risco incide, nomeadamente, sobre algumas das mais de 180 espécies de aves identificadas no estuário do Mondego, na Figueira da Foz, como a andorinha-do-mar-anã, andorinha-do-mar “ou as águias, entre elas a águia pesqueira, o tartaranhão dos pauis e até mesmo a águia de Bonelli” que utilizam os tanques das aquaculturas para procurar alimento.

“As aves retiradas mortas das redes são registadas com referência ao local, data, espécie, número de indivíduos, entre outras. As aves retiradas feridas foram recolhidas no local pelas equipas do ICNF e encaminhadas para recuperação”, adianta.

No comunicado sobre os resultados preliminares da monitorização, o ICNF argumenta que as denúncias feitas por organizações não-governamentais da área do ambiente “referem ‘estimativas’ que apontam para centenas de aves afectadas todos os anos, por ferimentos e morte, pelas redes de protecção dos tanques das aquaculturas”.

Já as explorações de aquacultura, assinala o INCF, referem a ocorrência de vários episódios de aves presas nas redes “que, na maioria dos casos, resultam na morte dos animais, sobretudo de corvos-marinhos e gaivotas. As várias explorações contactadas cifram aqueles valores em menos de uma dezena de aves mortas nas redes por ano”.

Recorde-se que, no início da semana passada, a associação ambientalista MilVoz afirmou que há centenas de aves que morrem por ano nas redes utilizadas pelas explorações de aquacultura na Figueira da Foz, para proteger os peixes de predadores, nomeadamente de corvos-marinhos.

Dias depois, a Associação Portuguesa de Aquacultura (APA) negou que haja centenas de aves mortas por ano nas redes. “Nós não dizemos que não há aves que fiquem presas nas redes ou que morram nas redes. Mas é uma quantidade pouco significativa. Dizer que há centenas de aves mortas por ano é mentira”, disse, na altura, à Lusa o vice-presidente da APA e aquacultor na Figueira da Foz, Jorge Camarneiro.