Coimbra  26 de Junho de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

HUC querem ficar com a nova maternidade de Coimbra

7 de Junho 2019

O Governo recebeu uma proposta para que a nova maternidade de Coimbra se localize no perímetro dos Hospitais da Universidade, afirmou, hoje, a ministra da Saúde, salientando que todos os estudos técnicos apontam para essa solução.

Questionada pela agência Lusa sobre a localização da nova maternidade da cidade, a ministra da Saúde, Marta Temido, referiu que a tutela recebeu “muito recentemente” uma proposta do Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) que aponta para uma solução que passe pelo actual perímetro dos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Sobre o facto de a Câmara, Assembleia Municipal e Comunidade Intermunicipal terem tomado uma posição a favor da sua localização no Hospital dos Covões (também integrado no CHUC), a ministra frisou que “os estudos técnicos e todas as opiniões técnicas vão num determinado sentido, que é o da maternidade ser implantada no perímetro dos Hospitais da Universidade de Coimbra”.

“Agora, é dar o passo a seguir, trabalhar no programa funcional e construir a nova maternidade, porque ninguém nos perdoaria se permanecêssemos arreigados àquilo que são as nossas perspectivas institucionais e prolongássemos por mais tempo esta necessidade de ter uma nova maternidade que responda à população que é servida por duas maternidades [Bissaya Barreto e Daniel de Matos] muito boas tecnicamente, muito capazes do ponto de vista dos seus profissionais, mas que estão, em termos de instalações, em condições muito débeis há algum tempo”, vincou a ministra, que falava aos jornalistas à margem da iniciativa do CHUC “O que é importante para si?”.

O presidente do Conselho de Administração do CHUC, Fernando Regateiro, afirmou à Imprensa que “os Covões não teriam dimensão nem respostas para um serviço de obstetrícia e neonatologia, inseridos num hospital de apoio perinatal diferenciado”.

“Quando se fala deste tipo de hospital, estamos a falar de tudo o que é um hospital com todas as respostas que uma mulher grávida precisa quando adoece”, frisou, salientando que nos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) estão todas as equipas das diversas especialidades e os recursos materiais e analíticos sempre prontos a intervir numa situação de emergência de uma grávida que adoeça.

“A responsabilidade do CHUC é criar condições de segurança para uma grávida que adoeça. Quando adoece, há situações muito graves e complexas e ela tem que ser tratada como doente adulta e não podemos duplicar, a meia dúzia de quilómetros, respostas que são de uma complexidade extraordinária, até porque nem há meios humanos, físicos ou tecnológicos”, referiu.

Segundo Fernando Regateiro, está neste momento a ser trabalhado o desenho da localização da nova maternidade, os trajectos de ligação ao bloco central e o programa funcional, acreditando que, “dentro de muito poucas semanas, esses documentos estarão prontos”.

Questionado sobre a criação de um silo para dar resposta à falta de estacionamento no CHUC, o presidente do Conselho de Administração referiu que o modelo de negócio e de encargos “está em fase avançada”.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com