Coimbra  30 de Novembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Hospital Compaixão transformado em estúdio de cinema

19 de Outubro 2020 Jornal Campeão: Hospital Compaixão transformado em estúdio de cinema

Uma multinacional francesa decidiu criar um filme promocional, transformando o Hospital Compaixão, em Miranda do Corvo, num estúdio para filmagens.

O objectivo da empresa é, através do filme, manifestar gratidão para com os profissionais de saúde, especialmente os que estão na “primeira linha” do combate à covid-19.

A produtora de cinema descobriu que, perante a pandemia, existia em Portugal um moderno hospital fechado, estúdio ideal para as filmagens.

“Numa Europa com falta de respostas perante a covid Portugal dá-se ao luxo de ter um Hospital fechado parecendo dar razão aos políticos «frugais» do Norte da Europa que nos acusam de desperdiçar recursos. Neste caso são 10 milhões de euros que estão ás moscas numa altura em que o SNS pode entrar em rotura”, diz Jaime Ramos, presidente do Conselho de Administração do Hospital.

A Fundação ADFP, proprietária do edifício, foi contactada para alugar o hospital para realização das filmagens, que retratam o dia-a-dia dos profissionais de saúde num ambiente hospitalar.

A Fundação decidiu colaborar associando-se ao objectivo de parabenizar os profissionais de saúde que combatem a covid.

“Perante a epidemia, quando em Portugal se gasta dinheiro a instalar hospitais de campanha sem condições em pavilhões desportivos, o Governo mantém fechado um Hospital moderno e bem equipado”, acrescenta o presidente.

Jaime Ramos recorda que no início da pandemia a Fundação ofereceu o Hospital ao Governo para o usar no combate à covid, mas esta oferta foi desprezada.

Segundo o responsável, “ninguém sabe a razão porque o Ministério da Saúde não cria condições para o seu funcionamento e recusa integrar o Hospital no SNS através de acordo de cooperação sem fins lucrativos”.

“Vários ex-ministros socialistas da Saúde já visitaram o Hospital (Maria de Belém Roseira, António Correia de Campos, Adalberto Campos Fernandes) onde publicamente declararam que o hospital deveria ter acordos de cooperação com o SNS. Infelizmente a Ministra Marta Temido recusa visitar e conhecer o Hospital impedindo que as pessoas deste Pinhal Interior possam ter acesso a melhores e mais próximos cuidados de saúde”, concluiu.