Coimbra  28 de Outubro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Hospitais de Coimbra e Universidade regularizam situação financeira

6 de Outubro 2021 Jornal Campeão: Hospitais de Coimbra e Universidade regularizam situação financeira

A Universidade de Coimbra (UC) e o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) assinaram hoje um acordo que regulariza a situação financeira entre as duas instituições, “limpando” um balanço de cinco milhões de euros, no total.

O acordo permite resolver dívidas recíprocas que rondavam quase os cinco milhões de euros, no global, sendo que o documento “põe fim à situação e limpa o balanço”, afirmou aos jornalistas o presidente do CHUC, Carlos Santos, no final da cerimónia, que decorreu na Universidade de Coimbra.

Segundo o responsável, este era um problema que já tinha mais de 30 anos, sendo que os valores devidos entre as duas instituições “eram valores próximos”.

“O acordo prevê o acerto de contas e que os passivos sejam declarados prescritos e os direitos de crédito sejam anulados”, assegurando também o compromisso das duas instituições da cidade de respeitarem os prazos de pagamento assumidos a qualquer fornecedor, explicou Carlos Santos.

De acordo com o presidente do CHUC, esta situação “só estava a prejudicar a avaliação de desempenho das duas instituições”, sendo que o acordo permite também aprofundar a relação entre a UC e os Hospitais de Coimbra, nomeadamente a partir do projecto Centro Académico Clínico de Coimbra, consórcio que junta as duas entidades.

O Reitor da Universidade de Coimbra, Amílcar Falcão, salientou que este acordo é “um passo muito importante que retira mais de 30 anos de alguma conflitualidade” entre os serviços financeiros das duas instituições.

“Este encontro de contas permite-nos limpar esse passado. […] Este momento é um tempo novo”, frisou, perspectivando uma relação mais forte entre UC e CHUC e uma maior facilidade para abraçarem projectos conjuntos.

Questionado no final pelos jornalistas, Carlos Santos escusou-se a adiantar mais informações relativamente ao futuro da nova Maternidade de Coimbra.

Já Amílcar Falcão reafirmou a vontade de a Universidade de Coimbra aproveitar o edifício da Maternidade Daniel de Matos (que é propriedade da instituição do ensino superior) para residência universitária, assim que esta feche, após a criação da nova Maternidade.