Coimbra  26 de Novembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Greve afecta serviços de alimentação e lavandaria no CHUC

13 de Agosto 2018 Jornal Campeão: Greve afecta serviços de alimentação e lavandaria no CHUC

A distribuição de refeições aos doentes do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra está a registar falhas na sequência da greve dos trabalhadores da empresa que fornece os serviços de alimentação, bares e lavandaria.

De acordo com fonte sindical, a greve destes trabalhadores regista hoje, entre as diversas unidades que o integram,  uma adesão superior a 80% no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), afetando os serviços de alimentação, bares e lavandaria, disse à agência Lusa António Baião, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro.

António Baião, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro, admitiu à Lusa que hoje “não vai haver refeições para os profissionais”, nas diferentes unidades do CHUC, ou que, pelo menos, o Serviço de Utilização Comum dos Hospitais, das Lavandarias, Resíduos, Manutenção e Alimentação (SUCH) “não tem condições” para assegurar este serviço com a qualidade que se exige e, acrescenta, “já há dificuldade na distribuição das refeições aos doentes”.

Durante uma concentração na entrada principal do centro hospitalar, o sindicato e os trabalhadores distribuíram um documento aos utentes e profissionais de saúde em que esclarecem as razões da greve.

Entre outras reivindicações, os trabalhadores dos SUCH reclamam aumentos salariais de 4%, “no mínimo 40 euros”, atualização do subsídio de refeição para 4,77 euros por dia, regime de cinco diuturnidades a vencer de quatro em quatro anos, no valor de 20 euros cada, e subsídio de risco no valor de 50 euros por mês.

Na região Centro, foram realizadas na manhã de hoje idênticas concentrações em Viseu e Castelo Branco, junto aos hospitais São Teotónio e Amato Lusitano, respetivamente, onde a greve teve também “níveis elevados” de adesão, segundo António Baião.

O sindicalista garante, no entanto, estarem a ser cumpridos os serviços mínimos fixados na lei.