Coimbra  20 de Setembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Governo actualiza Plano de Revitalização do Pinhal Interior com 200 milhões de euros

9 de Setembro 2021 Jornal Campeão: Governo actualiza Plano de Revitalização do Pinhal Interior com 200 milhões de euros

O Governo aprovou esta quinta-feira a actualização do Plano de Revitalização do Pinhal Interior, com a inclusão de um conjunto de novos projectos, no valor de cerca de 200 milhões de euros e com um horizonte temporal de cinco anos.

O Pinhal Interior abrange os concelhos de Alvaiázere, Ansião, Arganil, Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinho, Góis, Lousã, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penela, Tábua, Vila Nova de Poiares, Oleiros, Proença-a-Nova, Sertã e Vila de Rei.

“Hoje o que aprovámos foi a inclusão de um conjunto de novos projectos, que representam cerca de 200 milhões de euros de apoio a concretizar através do Plano de Recuperação e Resiliência [PRR], do próximo quadro comunitário Portugal 2030”, anunciou a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, na conferência de Imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, em Lisboa.

A governante indicou que o apoio financeiro previsto, com um horizonte temporal de cinco anos, é distribuído “em cinco domínios temáticos que correspondem às grandes fragilidades destes territórios”, destacando as áreas do ambiente, floresta, agricultura e ordenamento, que terão “mais apoio”.

“Por motivos óbvios, o grande investimento é feito em programas de reordenamento e gestão da paisagem no Pinhal Interior, onde as associações de produtores podem ser beneficiários, mas também os municípios”, declarou a ministra da Coesão Territorial, referindo que há também apoio para a construção e dinamização de áreas integradas de gestão da paisagem no Pinhal Interior.

Ana Abrunhosa reforçou que a floresta, em particular o ordenamento e a gestão, é uma das áreas que necessita ainda de “uma grande atenção e de um grande investimento”, lembrando que o Pinhal Interior “foi um território muito afectado pelos incêndios de 2017”, pelo que em 2018 foi aprovado um plano de revitalização que incluía um conjunto de actividades e de apoios que foram feitos ao longo do tempo.

Na apresentação dos diplomas aprovados no Conselho de Ministros, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, disse que são “projectos transformadores das economias locais para a revitalização dos sectores produtivos do Pinhal Interior, tendo em vista aumentar a competitividade destes territórios, aumentar a sua resiliência”.

Assumindo a coordenação do Plano de Revitalização do Pinhal Interior, a ministra da Coesão Territorial explicou que os projectos aprovados resultam de “um grande trabalho” entre a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, que vai coordenar os trabalhos na região, as cinco Comunidades Intermunicipais (CIM) envolvidas e com os actores do território.

Além do domínio temático dedicado à floresta, há projetos destinados às “pessoas, inovação social, demografia e habitação”, com medidas de apoio à habitação e reabilitação, assim como à fixação e atração de pessoas, inclusive migrantes.

Outras das áreas a apoiar são a “economia, competitividade e inovação”, para dinamização da economia local e atracção de investimento, em que se pretende continuar a financiar a requalificação e a construção de áreas de acolhimento empresarial, a garantir que estes territórios têm melhor conectividade digital e que as instituições de ensino superior destes territórios fazem um trabalho de capacitação das empresas, referiu Ana Abrunhosa.

A ministra da Coesão Territorial realçou como “especialmente importante” o apoio à área do turismo e do marketing territorial, em articulação com o Ministério da Economia, para a requalificação de aldeias e promoção das potencialidades turísticas destas regiões, através do marketing territorial, permitindo que “os atores regionais trabalhem em rede, de modo a construir um destino turístico”.

Por último, os projectos a apoiar dirigem-se também à área da agricultura, sobretudo a agricultura familiar, com o estímulo de novas cadeias de valor e mercados para produtos endógenos, a promoção de actividades silvopastorícias e a valorização das actividades tradicionais, “procurando a diversificação da base económica ao mesmo tempo que se valoriza as actividades tradicionais destes territórios”, sustentou Ana Abrunhosa.

Em relação à distribuição das verbas, a ministra afirmou que cerca de 50% serão atribuídas ao ambiente, florestas, agricultura e ordenamento do território, 20% atribuídas ao domínio pessoas, inovação social e habitação, 25% na economia e inovação e 5% no marketing territorial.

Outra das novidades da actualização do Plano de Revitalização do Pinhal Interior é a implementação do Centro de Competências Geoespacial, no concelho de Penela, “que será muito importante para, de uma vez por todas, concluir o cadastro simplificado dos prédios rústicos e mistos”.

Segundo a ministra, a criação de uma equipa com “pessoas de grande experiência” que vai andar no terreno a ajudar os candidatos aos apoios “vai fazer a grande diferença” nesta atualização do Plano.

“É uma equipa de pessoas que pertencem às cinco comunidades intermunicipais deste território e o seu objectivo é, quando abrem os avisos de concurso ou antes, prepararem os actores, capacitarem os actores, ajudarem os actores a fazer as candidaturas”, e, depois de as candidaturas serem avaliadas e aprovadas pela CCDR-Centro, “acompanhar os actores na execução dessas candidaturas”, disse.

“Chegámos à conclusão de que não basta colocar recursos. Nós temos de capacitar estes territórios”, salientou Ana Abrunhosa.

A ministra exemplificou que a Associação de Vítimas dos Incêndios de Pedrógão está envolvida neste Plano de Revitalização do Pinhal Interior e “tem sido extremamente útil na divulgação de informação”.